Rio Tinto vê risco de queda na demanda de minério com ressurgimento de Covid-19


A Rio Tinto alertou nesta sexta-feira (16) que o ressurgimento dos casos de coronavírus coloca em risco o crescimento econômico global e que a produção de aço fora da China caiu drasticamente, mesmo com medidas de estímulo sustentando a demanda do principal consumidor mundial de metais. O alerta foi feito no mesmo relatório em que a mineradora registrou queda de 1% na produção de minério de ferro no terceiro trimestre em relação ao mesmo período de 2019.

O comércio global tem dado sinais de recuperação à medida que os países emergem dos bloqueios, mas os economistas ainda veem desafios com novos surtos aumentando a incerteza sobre o caminho da pandemia e suas consequências econômicas.

"A atividade econômica global no terceiro trimestre foi geralmente forte, ajudando a sustentar o otimismo para uma recuperação generalizada em 2021", disse a Rio em seu relatório de produção trimestral.

Mas os dados sugerem que "a taxa de recuperação do crescimento está diminuindo na maioria das economias, com a dissipação da demanda reprimida e o aumento dos bloqueios renovados ameaçando a recuperação", acrescentou.

As medidas de estímulo intensivas da China têm apoiado a demanda recorde por minério de ferro, mas a produção de aço fora do país continua caindo significativamente ano após ano, disse a maior mineradora de ferro do mundo.

Os estoques de minério de ferro na China devem crescer modestamente em meio aos fortes embarques de grandes produtores no quarto trimestre e à medida que o consumo de aço da China diminui de altas recordes ao mesmo tempo em que cresce o consumo de sucata, disse a Rio.


No entanto, a produção de aço no Japão, Coréia do Sul, Taiwan e Europa está mostrando sinais de recuperação, acrescentou.

Produção

A produção de minério de ferro da Rio Tinto no terceiro trimestre melhorou em relação aos três meses anteriores depois que as equipes retomaram as escalas de trabalho com o relaxamento dos bloqueios para conter a propagação da Covid-19, mas ficou 1% abaixo do mesmo período do ano passado.

A mineradora produziu 86,4 milhões de toneladas de minério de ferro entre julho e setembro. A Rio registrou uma queda de 4,6% nos embarques de minério de ferro no terceiro trimestre para 82,1 milhões de toneladas devido à manutenção planejada no Porto Dampier em Pilbara, na Austrália, à frente de uma estimativa do UBS de 81,9 milhões de toneladas.

A manutenção na operação portuária deve continuar durante o trimestre atual, mas a empresa manteve sua previsão de embarque anual de 324 milhões a 334 milhões de toneladas. O minério de ferro responde por mais de 85% dos lucros da companhia.

A Rio produziu 14,5 milhões de toneladas de bauxita, um aumento de 5%, enquanto as 797 mil toneladas de alumínio foram 1% maior. A produção de pelotas e concentrado na subsidiária Iron Ore Company of Canada caiu 21% devido à manutenção anual.

Outro projetos

A mineradora reduziu seus custos de desenvolvimento estimados para seu projeto de cobre na Mongólia Oyu Tolgoi de US$ 6,5 bilhões a US$ 7,2 bilhões para US$ 6,6 bilhões a US$ 7,1 bilhões, acrescentando que a primeira produção está tendendo para o período de outubro de 2022 a junho de 2023.

A Rio também disse que o início da produção de seu projeto de cobre Winu na região de Pilbara, na Austrália, pode ser adiado para além de 2023 porque as negociações com os proprietários de terras tradicionais aborígenes podem demorar mais do que o previsto.

O diretor-executivo da Rio e dois altos executivos da empresa anunciaram suas renúncias no mês passado, curvando-se aos protestos dos acionistas sobre a destruição de dois abrigos aborígenes milenares e o que foi visto como a resposta inicial inadequada da mineradora.

A Rio disse que mudou o nome de seu projeto de minério de ferro Koodaideri, que está em vias de iniciar a produção no início de 2022, para Gudai-Darri a pedido dos proprietários tradicionais de Banjima.

Nas operações Kennecott da Rio nos Estados Unidos, a produção de cobre extraído caiu 40% no ano devido aos teores mais baixos, enquanto o cobre refinado caiu 74% após um atraso no reinício da fundição.

Com informações da Reuters e do Australian Financial Review.

SINDIMINA - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Extração, Pesquisa e Benefício de Ferro, Metais Básicos e Preciosos de Serrinha e Região

Rua Macário Ferreira, nº 522 - Centro - Serrinha-BA     / Telefone: 75 3261 2415 /  sindimina@gmail.com

Funcionamento :  segunda a sexta-feira, das  8h às 18h.