R$ 2,3 bi: Projeto Santa Quitéria tem cronograma definido

Consórcio entre INB e Galvani, para exploração de fosfato e urânio, no Ceará, está em fase de licenciamento ambiental.



O Projeto Santa Quitéria, que prevê a construção e a operação de um complexo mineroindustrial para extrair fosfato e urânio no Ceará, está em fase de licenciamento ambiental. Em junho, serão realizadas audiências públicas sobre o empreendimento nos dias 7, 8 e 9 em Santa Quitéria, Itatira (no Distrito Lagoa do Mato) e Canindé, respectivamente. A operação do empreendimento irá aumentar a oferta de fertilizantes para as lavouras. Mais de 85% dos fertilizantes consumidos no Brasil são importados. Com a plena operação do projeto de Itataia, serão produzidos cerca de 1,05 milhão de toneladas de fertilizantes fosfatados anualmente. Somada a produção atual da Galvani, que forma o Consórcio Santa Quitéria junto à Indústrias Nucleares do Brasil (INB), o volume representará 25% da demanda das regiões Norte e Nordeste. Serão criados cerca de 8.400 empregos diretos e indiretos durante as obras e 2.800 na fase de operação do complexo mineroindustrial. O Projeto Santa Quitéria está orçado em mais de R$ 2,3 bilhões.



Por estes motivos, o Projeto Santa Quitéria tem papel importante no Plano Nacional de Fertilizantes (PNF), Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e Plano Nacional de Energia (PNE), estando enquadrado na Política Pró-Minerais Estratégicos. Projeto Santa Quitéria também produzirá anualmente 220 mil toneladas de fosfato bicálcico para ração de gado, 50% da demanda atual desses insumos nas regiões Norte e Nordeste. Por estes motivos, o Projeto Santa Quitéria tem papel importante no Plano Nacional de Fertilizantes (PNF), Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e Plano Nacional de Energia (PNE), estando enquadrado na Política Pró-Minerais Estratégicos.



Fonte: Revista Mineração ,

www.revistamineracao.com.br


0 comentário