top of page

Produção da Aura em 2022 supera 242 mil onças

As minas EPP produziram 26.901 GEO, o que representa aumento de 50% sobre o terceiro trimestre de 2022.


A Aura Minerals produziu 67.663 onças equivalentes de ouro (GEO) no quarto trimestre de 2022. Com exceção de Gold Road, a empresa registrou a segunda maior produção em um único trimestre, atrás apenas da produção do quarto trimestre de 2021. A produção total para 2022 atingiu 242.524 GEO a preços correntes – também a segunda maior produção em um único ano na história da companhia. A produção total em GEO aumentou 16% quando comparada ao terceiro trimestre de 2022, mas caiu 12% em relação ao quarto trimestre de 2021.


As minas EPP produziram 26.901 GEO, o que representa aumento de 50% sobre o terceiro trimestre de 2022 e 56% quando comparada ao mesmo período de 2021, à medida que as operações acessaram a Fase II do pit de Ernesto, resultando em teores mais altos. Esta foi a maior produção trimestral de EPP na história da Companhia. Em Aranzazu, a produção somou 28.591em GEO, aumento de 9% em relação ao terceiro trimestre de 2022 como resultado da alta tonelagem processada (>99 mil toneladas por mês) e aumento nos teores de ouro e cobre devido ao sequenciamento da mina. Quando comparado a um ano antes, houve queda de 13%. Já a mina San Andres produziu 12.171 GEO no último trimestre de 2022, e apresentou decréscimos de 13% e 54%, respectivamente, em relação ao terceiro trimestre de 2022 e ao quarto trimestre de 2021. A menor produção no quarto trimestre de 2022 foi devido ao ciclo de lixiviação mais longo do que o esperado durante o trimestre; entretanto, o minério processado aumentou 44% em relação ao trimestre anterior.


Devido ao ciclo de lixiviação, estima-se que 1.600 onças adicionais foram produzidas e não vendidas durante o 4º trimestre e estavam empilhadas no final do ano; essas onças devem ser recuperadas e vendidas no início de 2023. Portanto, espera-se que a produção em San Andres aumente no primeiro trimestre de 2023, uma vez que o processo de lixiviação do minério alimentado durante o quarto trimestre de 2022 será concluído e o ouro recuperado na planta.


“No último trimestre tivemos a segunda maior produção da história da Aura, o que demonstra consistência em nossos planos de crescimento. Além disso, durante o trimestre avançamos na construção de Almas, terminando o ano com 87% do projeto concluído e com a expectativa de entregar o projeto no início deste ano, dentro do plano”, disse Rodrigo Barbosa, Presidente e CEO da Aura. A companhia avançou sobre o projeto Borborema e atualizou as estimativas para atingir 400.000 GEO em 2024 e 450.000 GEO em 2025 (anualizados). Por fim, a Aura pagou US$ 20 milhões em dividendos e US$ 10 milhões em recompras de ações em 2022, resultando em rendimento total de cerca de 6% no ano. “Agora estamos preparados para um 2023 ainda mais forte, com foco contínuo no crescimento e retorno de capital aos nossos acionistas.”


A produção dos últimos doze meses ultrapassou 242 mil GEO no final do quarto trimestre de 2022. Quando medido a preços constantes, a produção permaneceu entre 240 mil GEO e 260 mil GEO desde o terceiro trimestre de 2021. A Aura espera que a produção aumente depois que Almas entrar em produção no segundo trimestre deste ano.


Fonte: Brasil Mineral, assine tenha acesso a um vasto conteúdo de notícias do setor mineral

0 comentário

Comments


bottom of page