Mineração Vale Verde conclui construção da mina de cobre e ouro Serrote, em AL

A Mineração Vale Verde (MVV) concluiu a construção da mina e da planta de processamento da operação de cobre e ouro Serrote, em Alagoas. Segundo a empresa controlada pela Appian Capital Advisory, a conclusão das obras ocorreu antes do prazo e dentro do orçamento previsto.


Segundo a Appian, a expectativa é de que o primeiro carregamento de concentrado de cobre e ouro ocorra em novembro.

Serrote consiste em uma operação a céu aberto, com expectativa de produção de uma média de aproximadamente 22.000 toneladas anuais de cobre equivalente a partir do processamento de 4,1 milhões de toneladas por ano ao longo de uma vida útil inicial da mina de 14 anos.

Em nota divulgada nesta terça-feira (1), a Appian informou que a MVV produzirá um concentrado de cobre bornita-calcopirita de alto teor, com subprodutos de ouro e prata. "A natureza de alto teor do concentrado renderá um valor premium no mercado e reduzirá os custos de transporte a jusante e a pegada de carbono em comparação com os concentrados de cobre típicos", afirmou.

A vida útil inicial da mina considera uma reserva mineral de 52,7 Mt com teor de 0,6% Cu e 0,1 g/t Au. "A MVV está trabalhando agora para desbloquear um valor positivo substancial por meio da definição de um plano de expansão para o maior recurso medido e indicado de 108,9 Mt em Serrote", disse a Appian.

A empresa acrescentou ainda que trabalha para "desenvolver planos destinados a gerar valor por meio do recurso de óxido conhecido e depósitos satélite próximos que estão sendo sondados e expandidos".


No documento, a companhia ressalta que a "perspectiva atual" para o cobre "aprimora ainda mais a economia altamente atraente do projeto" com a expectativa de que a MVV produza a um custo de caixa ascendente de aproximadamente US$ 1,41 por libra de cobre, com geração de margem Ebitda anual de mais de 60%.

A Appian salientou ainda que o projeto Serrote "está bem posicionado no segundo quartil inferior da curva de custo de cobre" em uma base de custo total de manutenção (Aisc, na sigla em inglês) e que o projeto beneficia-se ainda "de demanda de longo prazo para eletrificação e descarbonização".

Financiamento

Em fevereiro, a MVV garantiu um financiamento de US$ 140 milhões, o que, segundo a Appian, foi "a maior transação independente de financiamento de projetos de mineração greenfield anunciada desde o início de 2020 e o início da Covid-19". Isso, segundo a empresa, demonstra "os sólidos fundamentos de Serrote".

O diretor-executivo da MVV e da Appian Brasil, Paulo Castellari, observou que a conclusão da operação "demonstra o sucesso do modelo de negócios da Appian". "Em Serrote, temos um ativo de alta qualidade com baixos custos de produção, uma longa vida útil da mina e um aumento significativo com potencial de expansão futura", declarou.

"Esta é uma conquista fantástica para a MVV. Estou particularmente orgulhoso de nosso histórico de segurança e capacidade de superar as expectativas, apesar da pandemia. O cobre continua sendo uma mercadoria incrivelmente atraente e a MVV está idealmente posicionada para se beneficiar do crescente foco global em eletrificação e descarbonização", completou.


Fonte: Notícias de Mineração do Brasil.

0 comentário