Governo autoriza avanço de mineração em áreas de fronteira

General Augusto Heleno assinou autorização para exploração de minérios em 19 municípios que ficam na fronteira.



O general Augusto Heleno, ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), concedeu 13 autorizações – a empresas e pessoas físicas – para exploração de minérios em áreas de fronteira em Roraima, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e Paraná.


As autorizações estão publicadas no DOU (Diário Oficial da União) desta segunda-feira (2). O general é secretário-executivo do CDN (Conselho de Defesa Nacional), colegiado que assessora o presidente Jair Bolsonaro (PL) em assuntos de defesa e soberania. Ele é o responsável por liberar projetos de mineração na faixa de fronteira, em uma largura de até 150 km.


Ao todo, foi autorizada a exploração de minérios como ouro, mármore, granito, calcário, manganês, ferro e dolomita em 37 áreas. São 19 cidades que fazem fronteira com o Paraguai, Venezuela, Guiana, Suriname, Bolívia, Argentina e Uruguai.


Confira as cidades com autorização liberada para mineração


Mato Grosso do Sul

• Bonito

• Corumbá

• Miranda

• Jardim




Rio Grande do Sul

• Aceguá

• Bagé

• São Gabriel

• Santa Margarida do Sul

• Caçapava do Sul

• Vila Nova do Sul

• São Sepé


Roraima

• Caracaraí


Mato Grosso

• Poconé

• Araputanga

• Rio Branco

• Porto Esperidião

• Cáceres




Paraná

• Foz do Iguaçu

• Coronel Vivida


Avanço da mineração


Segundo o Ibram (Instituto Brasileiro de Mineração), os investimentos da indústria de mineração no Brasil deverão somar US$ 40,44 bilhões no período de 2022 a 2026. A maior parte dos investimentos, 54%, é referente a aportes que ainda estão programados, enquanto 46% do montante se refere a projetos em execução.


Os investimentos em minério de ferro, produto que lidera os aportes no Brasil, estão estimados em US$ 13,6 bilhões, dos quais US$ 7,7 bilhões em projetos em execução e US$ 5,8 bilhões estão programados.


Aeroportos em terras indígenas


O ato do general também autoriza a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) a construir dois aeródromos em aldeias indígenas que estão na faixa de fronteira. Os empreendimentos serão feitos nas aldeias Boca do Marapi e Santo Antônio, que ficam na cidade de Oriximiná, no Pará. Os pedidos foram feitos pela Funai (Fundação Nacional do Índio).


Fonte: R7 noticías

0 comentário