As 100 maiores mineradoras do mundo em 2020

As 100 maiores mineradoras do mundo cresceram US$ 311 bilhões em valor de mercado, ou cerca de 27%, nos últimos 12 meses – o ano da Covid-19 e da crise econômica global. A listagem do Mining Journal das 100 maiores mineradoras de capital aberto em 2020 tem 25 empresas chinesas com 17% do valor de mercado de US$ 1,45 trilhão dos líderes no início deste mês.



As grandes empresas no top 10 da lista mais recente tiveram como destaques a mineradora de cobre norte-americana Southern Copper Company, que subiu seis posições, para o 5º lugar na tabela de 2020, e a produtora australiana de minério de ferro Fortescue Metals Group, que subiu sete degraus para chegar ao oitavo lugar.

O preço das ações da Southern Copper finalmente voltou aos níveis vistos no primeiro semestre de 2018 e, de fato, ultrapassou-os. A Fortescue, que continua a crescer em face do comércio arriscado e da luta diplomática da Austrália com a China, é a história de crescimento corporativo de destaque do setor nos últimos 20 anos.

De forma geral, ocorreram algumas grandes altas e baixas na tabela de classificação global da mineração em relação ao ano passado.

Três produtores de lítio nas dez maiores ascenções sustentam uma narrativa de mercado sugerindo que os minerais de bateria deram uma virada, sendo o lítio a commodity termômetro.

Fresnillo, com sede no México e listada em Londres, está muito longe dos níveis de preços das ações vistos em 2016, mas aumentou mais do que o dobro deste ano. A produtora de metais preciosos teve um ano de sucesso na produção de ouro, enquanto manteve uma alta produção de prata.


Sibanye Stillwater, Kinross Gold, Zijin Mining e SSR Mining são, literalmente, mineradoras de ouro em ascensão.

A Northern Star Resources da Austrália e a canadense (em breve em Londres) Endeavor Mining são as empresas de ouro de médio porte envolvidas em fusões de bilhões de dólares que as impulsionarão na classificação em 2021.

Mineiros baseados na Índia perderam terreno considerável este ano, com quatro grandes empresas despencando em valor. A exposição ao mercado de alumínio foi uma praga para pelo menos três outras empresas que sofreram grandes quedas em 2020, enquanto a maior mineradora de areias petrolíferas do mundo, a Suncor, foi atingida pelos baixos preços da energia.

As empresas de carvão chinesas, indonésias e indianas representam dez das 100 maiores mineradoras, mantendo o apoio dos investidores em um mundo que em grande parte deu as costas às ações de carvão dos EUA, Austrália e Canadá, que progressivamente caíram da mesa de líderes do setor.

Mineiros diversificados, alguns dos quais mantêm exposição ao mercado de carvão térmico e metalúrgico, compõem 14 das 100 maiores mineradoras do mundo, incluindo os maiores: BHP, Rio Tinto e Vale.

As empresas cujo foco principal em commodities é ouro representaram 26% na tabela das 100 melhores; o cobre ficou em seguida com 15%, seguido de carvão, alumínio (7%) e minério de ferro (5%).

Depois da China, os principais domicílios dos 100 maiores mineiros em 2020 são Canadá (17 empresas), Austrália (10), África do Sul (8) e EUA (7).

As 100 maiores mineradoras em 2020 geram cerca de US$ 970 bilhões em receitas, sendo que as 10 maiores empresas são responsáveis por cerca de 40% disso.

O valor de mercado de US$ 1,45 trilhão das 100 empresas de mineração mais valiosas do mundo se compara a US$ 1,6 trilhão de uma das empresas de tecnologia mais valiosas do mundo, a Microsoft. A Apple com sede nos Estados Unidos tem um valor de mercado de US$ 2,1 trilhões.

A Microsoft gerou cerca de US$ 125 bilhões de receita no ano fiscal de 2019 e a Apple, US$ 260 bilhões.

Não estão incluídos nesta lista do Mining Journal das 100 maiores mineradoras do mundo empresas como a maior estatal de cobre do Chile, Codelco (cerca de US$ 12,5 bilhões de receita do ano fiscal de 19) e a empresa privada australiana de minério de ferro Hancock Prospecting, que relatou receita do ano fiscal de 2020 de cerca de US$ 7,71 bilhões.

O valor de mercado de entrada para as empresas na tabela das 100 melhores deste ano foi mais do que dobrado para US$ 3 bilhões em 2020 - uma marca que teria eliminado 25% das empresas listadas em 2019.







Maiores subidas e descidas no ranking das 100 das mineradoras em 2020




Fonte: Mining Journal e Notícias de Mineração do Brasil

0 comentário

SINDIMINA - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Extração, Pesquisa e Benefício de Ferro, Metais Básicos e Preciosos de Serrinha e Região

Rua Macário Ferreira, nº 522 - Centro - Serrinha-BA     / Telefone: 75 3261 2415 /  sindimina@gmail.com

Funcionamento :  segunda a sexta-feira, das  8h às 18h.