SINDIMINA - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Extração, Pesquisa e Benefício de Ferro, Metais Básicos e Preciosos de Serrinha e Região

Rua Macário Ferreira, nº 522 - Centro - Serrinha-BA     / Telefone: 75 3261 2415 /  sindimina@gmail.com

Funcionamento :  segunda a sexta-feira, das  8h às 18h.

Mercado exagera sobre risco de tributação para mineração, apontam analistas


O mercado pode ter exagerado em sua reação ao anúncio de que a tributação para o setor de mineração no Brasil irá aumentar, avaliam analistas consultados pelo Money Times. O relatório da CPI de Brumadinho sugeriu a criação de um novo tributo para a fiscalização de barragens e um imposto especial de participação de até 40% para grandes mineradoras. Atualmente, o royalty é de 3,5% sobre o faturamento bruto.

"Na nossa visão, o aumento da tributação é possível após a tragédia de Brumadinho, o que traz volatilidade às ações, mas não esperamos um resultado tão significativo quanto os 40% de Participação Especial, dado que inviabilizaria o setor mineral no Brasil", ressalta um relatório da XP Investimentos assinado por Betina Roxo.

Ela lembra ainda que o relatório da CPI não é definitivo e deve levar tempo para um desfecho, que também pode ser bastante diferente ao proposto inicialmente.

De acordo com o Bradesco, as discussões estão esquentando em direção a royalties de mineração mais altos. Os analistas Tiago Lofiego e José Cataldo, contudo, notam que o número mais alto sendo debatido é de 10%, enquanto o intervalo de 4% a 8% foi o nível mais frequente.

Impacto

Nos cálculos do relatório do Bradesco, para cada aumento de 1% nos royalties, os Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, da sigla em inglês) da Vale, por exemplo, seria impactado negativamente em 1,5%. Já o da CSN seria afetado em 0,5%.

Lofiego e Cataldo chamam a atenção para o fato de que as mineradoras australianas pagam em torno de 7% em royalties. Neste patamar, o impacto no Ebitda de 2020 seria de 5% para a Vale e 2% para a CSN.

Demora

De acordo com a análise do cenário político realizada pela XP, as principais lideranças do Senado não demonstram estar com pressa para votar o tema. "Pensando historicamente, esse tipo de proposta não é votado com agilidade pela decorrência dos diferentes interesses envolvidos. Para eles, o aumento na tributação até o momento não faz parte da agenda do Executivo", disse a XP. As informações são do