Vale: falta de acordo com governo de Minas Gerais sobre Brumadinho não impacta ações, diz XP



A falta de um acordo entre a Vale (VALE3) e o governo de Minas Gerais quanto aos valores da reparação de Brumadinho não impacta as ações da mineradora, disse a XP Investimentos.

“Acreditamos em um impacto neutro no mercado, uma vez que essas discussões já vem ocorrendo há um tempo e não houve definição sobre o montante a ser pago”, comentou o analista Yuri Pereira.

Em audiência realizada ontem, o governo de Minas Gerais rejeitou a proposta financeira apresentada pela Vale referente às reparações pelo rompimento da barragem da mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho. De acordo com as autoridades governamentais, a oferta da mineradora “não está em conformidade com as premissas que haviam sido acordadas”.


A Vale enviou uma proposta de acordo global de aproximadamente R$ 21 bilhões, valor muito abaixo do esperado, de R$ 54 bilhões.


Mateus Simões, secretário-geral do Estado, disse que as discussões não envolvem apenas valores. O governo de Minas Gerais não aceitou certas condições, vistas como problemas de “organização do acordo”, apresentadas pela empresa.


Uma nova audiência está marcada para o dia 9 de dezembro. De acordo com a Guide Investimentos, esse foi um dos pontos positivos da reunião.

“O mercado havia precificado no pregão de ontem que algo positivo e conclusivo pudesse ocorrer durante a audiência. O resultado foi a extensão do prazo do pagamento emergencial até o final do ano e uma nova audiência marcada para 9 de dezembro”, destacou a corretora.


Barragem na mina de Brucutu


A Vale iniciou o protocolo de emergência nível 2 da barragem Norte/Laranjeiras da mina de Brucutu, em Barão de Cocais. Com isso, a mineradora realizará, de forma preventiva, a remoção de residentes em áreas próximas.

A companhia ressaltou que a barragem não recebe rejeitos e, portanto, não faz parte do seu plano de produção de minério de ferro desde o fim do ano passado.

Segundo a XP, a paralisação da barragem também não traz impactos relevantes para as ações.


“Acreditamos em uma reação neutra das ações, pois os preços de minério de ferro podem reagir positivamente e por se tratar de uma barragem que não recebe rejeitos, ou seja, sua paralisação não impacta a produção”, explicou Pereira.

A XP reforçou a recomendação de compra para a ação, com preço-alvo de R$ 85.


Fonte: Moneytimes.com.br

0 comentário

SINDIMINA - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Extração, Pesquisa e Benefício de Ferro, Metais Básicos e Preciosos de Serrinha e Região

Rua Macário Ferreira, nº 522 - Centro - Serrinha-BA     / Telefone: 75 3261 2415 /  sindimina@gmail.com

Funcionamento :  segunda a sexta-feira, das  8h às 18h.