Vale confirma conclusão da venda de mineração em Corumbá para grupo dos irmãos Bastista

Previsão que a ‘JBS da Mineração’ assuma as atividades no Pantanal no começo deste segundo semestre




A mineradora Vale divulgou no final da tarde desta sexta-feira (15) que foi concluída a venda dos ativos do Sistema Centro Oeste, que se refere à mineração em Corumbá e Ladário, após 46 anos de permanência na região.


A J&F Investimentos S.A, que pertence aos irmãos Wesley e Joesley Batista, foi quem comprou os direitos de exploração de minério de ferro e de manganês no Pantanal, além da empresa de transporte fluvial.


O negócio teve valor global de US$ 1,2 bilhão e o recebimento que faltava para concluir a transação foi de US$ 150 milhões.


"A Vale informa que concluiu nesta data (15 de julho) a venda de seus ativos do Sistema Centro Oeste para a J&F Mineração Ltda., controlada pela J&F Investimentos S.A, com o recebimento de US$ 150 milhões.


Esta transação reforça a estratégia da Vale de simplificação de portfólio, com foco nos principais negócios e oportunidades de crescimento, e pautados pela alocação de capital disciplinada”, detalhou a nota.


A comunicação oficial aconteceu porque a Vale é empresa de capital aberto e precisa fazer notificação ao mercado.


Com essa confirmação de venda concluída, a nova mineradora já está apta para assumir a operação em 100% dos processos.


Conforme apurado com especialistas do setor de mineração em Corumbá, a previsão inicial era que a J&F Mineração Ltda. iria assumir a unidade a partir de novembro deste ano.


Porém, ainda neste primeiro semestre, houve sinalização que esse procedimento poderia ser antecipado para final de julho ou começo de agosto.


A venda foi anunciada no dia 6 de de abril e corresponde à compra de ativos da Mineração Corumbaense Reunida S.A., Mineração Mato Grosso S.A., International Iron Company, Inc.; e Transbarge Navegación Sociedad Anónima.

Esse pacote transfere os direitos de exploração de minério de ferro, minério de manganês e a logística no Sistema Centro-Oeste.


Os atuais contratos vigentes no modelo take-or-pay também foram incorporados à negociação.


“Pelos termos acordados, o enterprise value da transação é de cerca de US$ 1,2 bilhão para um conjunto de ativos que contribuiu com US$ 110 milhões de Ebitda ajustado para a Vale em 2021. No fechamento da transação, a Vale receberá cerca de US$ 150 milhões, além de transferir ao comprador as obrigações relacionadas aos contratos logísticos de take-or-pay, sujeito à anuência das contrapartes aplicáveis e demais passivos existentes no conjunto de ativos das referidas sociedades”, informou a nota da Vale emitida em abril deste ano.


Os cerca de 1 mil funcionários da Vale vão ser transferidos na integralidade para a nova empresa de mineração, que ainda não tem expertise nesse setor e vai começar as atividades a partir da unidade de Corumbá/Ladário.


Quando a Vale adquiriu a estrutura total em Corumbá, para a exploração de minérios de ferro e de manganês, em 2009, o negócio com a Rio Tinto ficou na cifra de US$ 750 milhões.

Na época, a cotação da moeda norte-americana estava na faixa de R$ 2,30 e, com isso, a transação foi de cerca de R$ 1,7 bilhão.

Correio do Estado

NEGÓCIO

Vale confirma conclusão da venda de mineração em Corumbá para grupo dos irmãos Bastista

Previsão que a ‘JBS da Mineração’ assuma as atividades no Pantanal no começo deste segundo semestre

15/07/2022 18:30 - Rodolfo César

Terminal Porto Gregório Curvo, localizado no distrito de Porto Esperança

Terminal Porto Gregório Curvo, localizado no distrito de Porto Esperança - Foto: Marco Calábria/Estúdio Eureka de Comunicação

A mineradora Vale divulgou no final da tarde desta sexta-feira (15) que foi concluída a venda dos ativos do Sistema Centro Oeste, que se refere à mineração em Corumbá e Ladário, após 46 anos de permanência na região.


A J&F Investimentos S.A, que pertence aos irmãos Wesley e Joesley Batista, foi quem comprou os direitos de exploração de minério de ferro e de manganês no Pantanal, além da empresa de transporte fluvial.


O negócio teve valor global de US$ 1,2 bilhão e o recebimento que faltava para concluir a transação foi de US$ 150 milhões.


"A Vale informa que concluiu nesta data (15 de julho) a venda de seus ativos do Sistema Centro Oeste para a J&F Mineração Ltda., controlada pela J&F Investimentos S.A, com o recebimento de US$ 150 milhões.


Esta transação reforça a estratégia da Vale de simplificação de portfólio, com foco nos principais negócios e oportunidades de crescimento, e pautados pela alocação de capital disciplinada”, detalhou a nota.


A comunicação oficial aconteceu porque a Vale é empresa de capital aberto e precisa fazer notificação ao mercado.


Com essa confirmação de venda concluída, a nova mineradora já está apta para assumir a operação em 100% dos processos.


Conforme apurado com especialistas do setor de mineração em Corumbá, a previsão inicial era que a J&F Mineração Ltda. iria assumir a unidade a partir de novembro deste ano.


Porém, ainda neste primeiro semestre, houve sinalização que esse procedimento poderia ser antecipado para final de julho ou começo de agosto.


A venda foi anunciada no dia 6 de de abril e corresponde à compra de ativos da Mineração Corumbaense Reunida S.A., Mineração Mato Grosso S.A., International Iron Company, Inc.; e Transbarge Navegación Sociedad Anónima.


Esse pacote transfere os direitos de exploração de minério de ferro, minério de manganês e a logística no Sistema Centro-Oeste.


Os atuais contratos vigentes no modelo take-or-pay também foram incorporados à negociação.


“Pelos termos acordados, o enterprise value da transação é de cerca de US$ 1,2 bilhão para um conjunto de ativos que contribuiu com US$ 110 milhões de Ebitda ajustado para a Vale em 2021. No fechamento da transação, a Vale receberá cerca de US$ 150 milhões, além de transferir ao comprador as obrigações relacionadas aos contratos logísticos de take-or-pay, sujeito à anuência das contrapartes aplicáveis e demais passivos existentes no conjunto de ativos das referidas sociedades”, informou a nota da Vale emitida em abril deste ano.


Os cerca de 1 mil funcionários da Vale vão ser transferidos na integralidade para a nova empresa de mineração, que ainda não tem expertise nesse setor e vai começar as atividades a partir da unidade de Corumbá/Ladário.


Quando a Vale adquiriu a estrutura total em Corumbá, para a exploração de minérios de ferro e de manganês, em 2009, o negócio com a Rio Tinto ficou na cifra de US$ 750 milhões.


Na época, a cotação da moeda norte-americana estava na faixa de R$ 2,30 e, com isso, a transação foi de cerca de R$ 1,7 bilhão.


A estrutura da Vale em Corumbá Compra dos ativos


Aquisição de operações de minério de ferro que pertenciam a Rio Tinto Plc em 18 de setembro de 2009.


Produção

Em 2008: 2 milhões de toneladas de minério de ferro.


Previsão de ampliação para 15 milhões de toneladas ao ano.

US$ 750 milhões foram pagos


Investimento previsto

Recursos que estavam previstos: US$ 2 bilhões (US$ 1,5 bilhão na compra de comboios de barcaças).


Classificação do minério em Corumbá

Classe mundial, alto teor de ferro e alta qualidade.



Fonte: Correio do Estado

0 comentário