'Relógio está correndo' para barragens de rejeitos

“O tempo está passando muito na implementação e nós temos um cronograma ambicioso”, disse o diretor do Conselho Internacional de Mineração e Metais, Aidan Davy, ao fórum virtual PDAC 2021 no Canadá. ‘Nós’ inclui as 28 empresas membros do International Council of Mining and Metals (ICMM) – com a Boliden da Suécia entrando neste mês. O relógio ao qual ele se refere ainda está correndo bastante devagar, mas Davy sabe que chegou a hora das mineradoras adotarem uma posição sobre as barragens de rejeitos.


"Nossas prioridades imediatas são concluir o guia de boas práticas de gestão de rejeitos e os protocolos de conformidade até o final do primeiro trimestre deste ano, se possível ... com vista à publicação no início do segundo trimestre", disse Davy, diretor de operações do programa ambiental do ICMM.

O instituto, junto com as Nações Unidas (Programa Ambiental - UNEP) e grupos de investidores que representam os Princípios para Investimento Responsável (PRI, na sigla em inglês), elaborou o primeiro Padrão Global da Indústria Global de Gestão de Rejeitos (GISTM) de mineração para barragens de rejeitos atuais e novas na sequência do desastre com a barragem da Vale em Brumadinho (MG) em janeiro de 2019. Hoje há cerca de 12.000 instalações de armazenamento de rejeitos de mineração em todo o mundo.

O desastre da barragem da mina de minério de ferro Córrego do Feijão que matou pelo menos 270 pessoas em Brumadinho, foi um "evento verdadeiramente terrível, mas também algo que eu acho que é um catalisador para uma mudança de longo prazo no setor de mineração", disse o diretor da equipe de investimentos do Fundo da Igreja da Inglaterra.

"Como um fundo de [US$ 3,9 bilhões], estamos começando a votar contra os presidentes de empresas que não adotam o padrão, que podemos ter participações e/ou ameaçar desinvestir. Somos um fundo, [mas] sei que outros fundos estão começando a fazer isso. Estamos falando sério. Isso é extremamente importante", salientou.

Davy disse que os membros do ICMM estavam engajados no desenvolvimento do GISTM antes de seu lançamento, "então eles não ficam parados esperando que o guia ou os protocolos de conformidade sejam concluídos para progredir com a implementação".


"Muitos já começaram a identificar e resolver lacunas em seus próprios sistemas e processos internos relativos aos requisitos da norma", disse.

Ele afirmou ainda que enquanto os membros do ICMM que gerenciam estruturas com riscos de "consequências potenciais extremas ou muito altas" associados a eles tinham três anos a partir da data de lançamento padrão para se conformar com ele, e outros tinham cinco anos. "Todos os membros assumiram um compromisso muito firme com implementação das recomendações e diretrizes no momento do lançamento", declarou.

Mas, além das empresas que efetivamente se inscreveram para apoiar a implementação do novo padrão, o futuro é menos claro. Há também uma necessidade urgente de um novo órgão de supervisão para garantir implementação e governança consistentes.

"O padrão foi desenvolvido para ajudar a evitar outro Brumadinho", disse Davy.

"Para que isso aconteça, temos que ver uma ampla aceitação na implementação ... [e] a conformidade com o padrão realmente se tornar a expectativa normativa das empresas de mineração responsáveis. Esse é o futuro que devemos olhar."

Charles Dumaresq, vice-presidente de gestão científica e ambiental da Associação de Mineração do Canadá - que lançou um guia de gestão de rejeitos em 1998 - disse que o desenvolvimento de um padrão global que teve o apoio de grandes empresas de mineração, grupos de investidores e outros "esperançosamente, envia um mensagem que os executivos da indústria de mineração não podem ignorar".

"Existem empresas que estão indo bem, mas muitas empresas têm muito trabalho a fazer", disse ele sobre os níveis mais amplos de gestão das estruturas de rejeitos.

"É tão importante que os níveis seniores das empresas, os conselhos de administração, executivos, etc, levem os rejeitos a sério. Fazemos um trabalho muito bom levando a sério o trabalho de extração e processamento de minério, mas esses são os lados que ganham dinheiro. Nós temos que levar isso a sério.

Matthews disse que a forma como o padrão foi implementado e administrado por um órgão semelhante ao International Cyanide Management Institute, supervisionando um código de gerenciamento de cianeto formulado há quase 20 anos, foi "crucial".

"No final do ano passado, escrevemos a um grupo de investidores representando cerca de US$ 23 trilhões para dizer, olhe, estamos cientes de que você tem instalações de rejeitos, o padrão agora existe, os membros do ICMM se comprometeram com eles, mas nós estamos muito interessados em ver todas as operações se comprometerem com isso e gostaríamos que você confirmasse sua intenção de estar em conformidade com o padrão e quanto tempo levará para implementá-lo.

"Enviamos isso um pouco antes do Natal e agora estamos obviamente fazendo o acompanhamento com as empresas", disse.

"As empresas que não implementarem este padrão entrarão em conflito com seus acionistas, seus bancos e suas seguradoras", observou.

Dumaresq disse que a lacuna entre o lançamento planejado das diretrizes e protocolos do GISTM e a criação de um órgão de supervisão internacional apresenta desafios para os mineiros que buscam continuar com o trabalho de estabelecer e vender credenciais de conformidade.

Ele disse que a gestão e a governança das barragens de rejeitos podem ser complicadas e ainda há "muito espaço" para a interpretação da linguagem de implementação e "o que significa desenvolver e implementar um sistema de gestão de rejeitos que realmente ajudará a empurrar o ponteiro para melhorar o segurança da gestão de rejeitos ".



As informações são do Mining Journal.

0 comentário