Receita líquida histórica de R$ 48 bilhões

O lucro líquido de 2021 alcançou R$ 13,6 bilhões, frente a um lucro líquido de R$ 4,3 bilhões registrado em 2020.




Em 2021, a receita líquida da CSN somou R$ 48 bilhões, um incremento de 59,4% na comparação com 2020 e a maior na história da companhia, o que só reforça o excelente momento e o ambiente favorável nos principais segmentos operados pela CSN. O lucro líquido de 2021 alcançou R$ 13,6 bilhões, frente a um lucro líquido de R$ 4,3 bilhões registrado em 2020, um aumento de mais de 217%, o que atesta o forte desempenho operacional da Companhia, além do reflexo do ganho na oferta pública de ações da CSN Mineração e das vendas de parte das ações da Usiminas.

O EBitda ajustado em 2021 somou recorde de R$ 22 bilhões, um crescimento de 91% em relação a 2020. A margem Ebitda ficou em 44,8%, bem acima dos 37% de 2020. O ambiente favorável de preços e o aumento no volume de vendas em todos os segmentos foram fatores que contribuíram para esse resultado. Em 31 de dezembro de 2021, a dívida líquida consolidada da CSN atingiu R$ 16.772 milhões, um aumento de R$ 2,1 bilhões em relação ao exercício anterior, como consequência principalmente dos programas de recompras de ações realizado no período, além da variação cambial. Com isso, o endividamento ficou acima do guidance esperado para o final do ano, mas com um indicador de alavancagem (medido pela relação dívida líquida/EBITDA ajustada) de apenas 0,76x, ou seja, abaixo da meta de 1x, o que reforça o compromisso da companhia em manter sua estrutura de capital em níveis sólidos e sustentáveis. Em 2021, a CSN investiu um total de R$ 2.934 milhões, 73% superior ao de 2020, o que demostra os esforços e avanços nos projetos de beneficiamento e aumento de capacidade na mineração.

No ano, a produção de placas foi 15% superior a 2020, totalizando 4,071 milhões t, o segundo maior volume de produção da história da CSN. Já a produção de laminados planos registrou crescimento de 12% em relação a 2020 e atingiu 3,789 milhões t, o que reforça os avanços nos projetos de desgargalamento e modernização das nossas plantas. O mesmo pode ser dito para a produção de aços longos, com um total de 236 mil t em 2021.

O total de vendas manteve-se estável no ano em relação a 2020 e só não apresentou desempenho melhor em razão da estratégia comercial adotada no terceiro trimestre do último ano de priorizar preço em detrimento de volume e da diminuição das vendas das subsidiárias europeias no segundo semestre.


CSN Mineração


A CSN Mineração também apresentou resultado recorde, com Ebitda ajustado de R$ 10,4 bilhões, impulsionado pelo forte resultado no primeiro semestre de 2021. Por outro lado, o desempenho no quarto trimestre foi impactado pelo forte volume de chuvas e pelas paradas programadas realizadas em novembro. Apesar disso, o total da produção, mais a compra de terceiros, fechou o ano com aumento de 18%, num total de 33,2 milhões de toneladas. A receita líquida cresceu 41%, um aumento de 41% sobre 2020.



Fonte: Brasil Mineral, assine e tenha acesso a vasto conteúdo de notícias do setor mineral

0 comentário