top of page

PF coleta amostras de ouro extraído da Terra Yanomami para identificar ‘DNA’ do minério



A Polícia Federal coletou amostras de ouro extraído da Terra Indígena Yanomami para identificar características determinantes de que o minério foi retirado ilegalmente da região. A ação, denominada “DNA do Ouro”, ocorreu entre os dias 4 a 6 deste mês de setembro. A coleta do material ocorreu nas regiões de Surucucu, Xitei, Homoxi, Cabeceira do Rio Catrimani e Paapiu. O transporte dos policiais federais foi realizado pelas Forças Armadas, em duas aeronaves. A análise do ouro ocorre com a combinação de morfologia, mineralogia, composição química e isotópica, que permitem a construção de parâmetros objetivos na rastreabilidade. O trabalho permite detectar a região de onde o metal foi retirado, identificando se ele é legalizado ou não. De acordo com as Forças Armadas, o objetivo da ação também é verificar a possível contaminação por mercúrio, metal usado por garimpeiros durante a exploração de ouro, na região onde os indígenas vivem. Altamente tóxico, o mercúrio é o único metal líquido em temperatura ambiente que se une facilmente ao ouro, formando uma liga metálica. Esse material, então, é aquecido, o mercúrio se evapora e o ouro se funde sozinho. O excesso restante desse processo é lançado diretamente nos rios, causando poluição ambiental e impactando na saúde dos indígenas. Segundo o chefe do Setor de Perícias em Geologia da PF, Erich Adam Moreira Lima, com o apoio das Forças, a intenção é seja possível estabelecer um catálogo do ouro existente no solo de distintas regiões do Brasil. “Nesse sentido, todas as informações coletadas serão inseridas no Banco Nacional de Perfis Auríferos – BANPA. Esse cadastro permitirá que as investigações sejam mais ágeis e eficazes, por conseguirem identificar, mais rapidamente, se o ouro foi retirado de garimpos ilegais”, explicou Erich. A ação foi realizada no contexto da Operação Ágata Fronteira Norte, uma operação interagências coordenada entre Órgãos de Segurança Pública, Agências e Forças Armadas.


Fonte: Minera Mt

0 comentário

Comments


bottom of page