Operação Remota em moagens


A LafargeHolcim adotou em 2020 o projeto Operação Remota das Moagens de Cimento nas plantas de Candeias (BA), Vitória (ES) e Cocalzinho de Goiás (GO). O controle, totalmente integrado, passa a ser feito da planta de Pedro Leopoldo (MG), por meio de softwares conectados via Internet e operados por uma equipe alocada em uma sala de controle, que rastreia e monitora os dados das três unidades satélites. Este controle integrado proporciona uma operação única, mais padronizada e eficiente, que agiliza os processos, possibilitando a antecipação e a resolução de problemas, sem que a operação seja interrompida.

A infraestrutura do projeto teve duração de aproximadamente um ano e recebeu investimento em torno de R$ 1 milhão. Na implantação foi montada uma base de instrumentação com tecnologia IoT (Internet das Coisas - Inteligência Artificial), conectada via wi-fi, onde foram instaladas câmeras com inteligência artificial (A.I.) e sistemas para o monitoramento online da rede de automação e um sistema de gerenciamento online dos consumos e demandas de energia elétrica, que irá auxiliar a otimização da eficiência energética das moagens.

Entre os benefícios está a criação de algoritmos de estimação da qualidade do cimento que, a partir dos sinais de campo, pode-se predizer a qualidade dos produtos, usando tecnologia de Redes Neurais, que fornecem informações a cada minuto, o que irá ajudar no controle automático dos moinhos, em um sistema que processa as informações na Nuvem ("Cloud Computing"). A tecnologia na Nuvem será usada para o monitoramento de ativos ("Online Asset Monitoring System") para acompanhamento da "saúde" dos motores e equipamentos girantes, como motores e redutores, etc. Com os dados coletados na Nuvem, a LafargeHolcim irá gerar os relatórios periodicamente analisados, pelos especialistas de manutenção da companhia.

No exterior, o projeto Operação Remota está implementado na planta de Guayaquil para o controle da moagem de Latacunga e na planta de El Ronco, que controla as unidades de Cartago, Nagarote e Maya. Na LafargeHolcim Europa, esta iniciativa começou na Alemanha e vem se expandindo também para outros países da região. "O ganho é mais que operacional. Temos uma mudança de paradigma, de cultura. Trouxemos a inteligência artificial para dentro da indústria do cimento e estamos trabalhando com compartilhamento de experiência e conhecimento entre as equipes. Dentro da nossa iniciativa Plants of Tomorrow, modernizamos todo o sistema e oferecemos amplo treinamento para os operadores", explica Gilson Leite Dias, Gerente Corporativo de Processos LafargeHolcim.


Fonte: Brasil Mineral

0 comentário