Mineração sustentável é um compromisso com as gerações futuras

Incentivos são válidos, mas devem ser compatíveis com a responsabilidade ambiental

Uma das discussões recentes no setor minerário é a possibilidade de legalização da atividade mineradora individual. Esse é um dos objetivos da proposta do projeto de lei que cria o Programa Nacional de Apoio à Mineração de Pequena Escala (PNAMPE) e que foi aprovada, no início de julho, pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviço da Câmara dos Deputados, segundo informações da Agência Câmara de Notícias.

“Nós vemos isso com preocupação, pois não se pode criar condições para a mineração individual e atividade de garimpo. Existe uma legislação, é preciso seguir uma série de etapas e regras, por exemplo, como as referentes aos resíduos gerados. Para que médias e grandes empresas possam seguir as regulamentações, elas precisam investir em estruturas, metodologias e tecnologias, tudo para garantir a segurança da atividade mineradora. Como uma pessoa física vai fazer isso? A gente lembra que uma das grandes responsabilidades que a mineração tem com as gerações futuras é o cuidado com a preservação do meio ambiente”, destaca Antonio Carlos Tramm, presidente da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM).

Outra questão levantada sobre a proposta é como será o processo de fiscalização de possíveis atuações individuais de mineração. Para Tramm, o incentivo a mineradores individuais, proposto pelo PNAMPE, pode implicar no desenvolvimento de atividades que causam degradação e danos aos recursos naturais, como o despejamento de substâncias tóxicas nos rios. “É preciso ter cuidado com o uso de produtos químicos e evitar descarte sem qualquer critério. Você não pode usar a justificativa da geração de postos de trabalho e crescimento econômico para permitir o despejo de mercúrio em rios, como ocorre hoje em áreas indígenas, resultado da ação de garimpeiros”, diz.


Entre as propostas do PNAMPE também estão o credenciamento de mineradores de pequena escala, a viabilização das condições para a legalização de suas atividades econômicas e ações para a legalização minerária e ambiental, entre outros. “As pequenas empresas merecem atenção dos legisladores e apoio para adequação às normas e para que possam se desenvolver. A incoerência do programa se concentra na questão da mineração individual”, acrescenta Tramm.


ANM precisa otimizar sistema


Os apoios institucionais para o desenvolvimento da atividade mineradora sempre foram determinantes para o sucesso do setor. Por isso, o trabalho da Agência Nacional de Mineração (ANM) é considerado de grande relevância, mas as queixas sobre a lentidão de processos também são frequentes. Algumas empresas precisam recorrer à justiça para obter mandados de segurança e, assim, conseguir que um processo seja analisado pela Agência, como num caso de transferência de título, por exemplo.


Para se ter uma ideia, a CBPM, que por quase cinco décadas atua na área de pesquisa mineral, aguarda emissões de Portaria de Lavra há sete anos. Neste mês, o presidente da companhia enviou um pedido de providências ao gabinete do diretor-geral da ANM, Victor Hugo Bicca. Na solicitação foram relacionados três processos que aguardam concessão: um deles para extração de argila, desde julho de 2015 (número 873.160/2005), e dois de areia, sendo que um espera a liberação desde agosto de 2015 (871.960/1992) e o outro desde dezembro de 2021 (873.387/2007).


“Nós reconhecemos que existe uma grande demanda, mas é preciso modernizar as estruturas para aperfeiçoar os processos. A mineração baiana ocupa o terceiro lugar em produção mineral do país e gera desenvolvimento econômico e social para a Bahia. Todas as nossas reivindicações são motivadas por essa realidade”, destaca Tramm.


Política sustentável do uso de resíduos


Também Por causa desse foco no crescimento que o setor minerário pode promover, a CBPM tem realizado uma série de encontros para discutir os usos de resíduos da mineração. A ideia é atrair investimentos de setores empresariais distintos, pois os subprodutos podem ser usados na construção civil e na indústria química, além da agricultura - que já tem experiências com fertilizantes (remineralizadores). Outro ponto, é a prática da gestão sustentável, pois materiais que costumam ser descartados podem ganhar utilidade, gerar soluções e agregar valor.


A partir desse reaproveitamento, ocorre a redução do acúmulo de sólidos no meio ambiente, impactando diretamente na qualidade dos ecossistemas e da população como um todo. Além do apelo ambiental, as empresas também podem obter mais recursos a partir da comercialização de produtos com maior valor agregado comparado aos resíduos que, antes, seriam descartados”, diz a pesquisadora e líder técnica do Senai Cimatec, a engenheira química Fernanda Torres.

A pesquisadora traz alguns exemplos de algumas aplicações já desenvolvidas para os resíduos da mineração. “Rejeitos de minério de ferro para uso em siderúrgicas e para a construção civil; resíduos finos de rochas ornamentais para produção de argamassas, cerâmicas vermelhas, vidro, tintas, manilhas, corretivos de solo, entre outros; resíduos grossos de rochas ornamentais para empregabilidade em fábricas de cimento, brita, areia artificial, artesanato, seixos ornamentais, muros de contenção de talude, pavimentação, filetes para muros e outros. O que se pode ver é que o uso dos resíduos promove a formação de uma nova cadeia de negócios, associadamente, a inserção de uma política mais sustentável no campo da mineração”, finaliza Torres.


Este conteúdo tem oferecimento da Ero Brasil (Mineração Caraíba), foi publicado pelo Correio da Bahia

Este conteúdo não reflete nem total nem parcialmente a opinião do jornal Correio e é de inteira responsabilidade do autor.



0 comentário