top of page

Mineração Submarina: entenda quais são os pontos de discordância entre os envolvidos nesse debate

Tema ganhou destaque ao longo das últimas semanas, após a aprovação do parlamento norueguês para a exploração de áreas do Ártico




Rico em nódulos polimetálicos, o mar profundo se tornou alvo de polêmicas envolvendo a mineração e a sustentabilidade no início de 2024. Isso porque, a crosta submarina localizada de 3.500 a 5.000 metros de profundidade contém concentrações de metais importantes e estratégicos — como níquel, cobalto, cobre e manganês — em maior proporção do que todo o resto da superfície terrestre e esses materiais são essenciais ao desenvolvimento de baterias com alta durabilidade para carros elétricos, uma das principais apostas para garantir sustentabilidade ambiental ao setor automotivo.


Tema de debate que ganhou proporções internacionais com a publicação da carta de cientistas marinhos, pelo Greenpeace, em 2019, a chamada “Mineração Submarina” foi validada na Noruega, pelo Parlamento do país, em 09 de janeiro de 2024. A aprovação do órgão permite a mineração submarina no Ártico e ocorre três anos após o país insular de Nauru solicitar à Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos regras claras sobre a prática, com um prazo de resposta de 24 meses. O prazo venceu sem que a AIFM publicasse a regulamentação.


Outros países, como o Japão, também possuem protocolos em análise para validar a exploração de minérios no mar profundo, mas instituições de diferentes setores —- inclusive o atual governo do Brasil — defendem postergar esse tipo de mineração por pelo menos 10 anos, até que a ciência seja capaz de prever os efeitos da prática sobre a biodiversidade marinha.


Frente a esta situação dicotômica e, com o objetivo de esclarecer quais são os argumentos pró e contra a Mineração Submarina, a Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração (ABM) reúne na listagem abaixo os principais pontos de cada frente argumentativa, de modo a contribuir para o entendimento do contexto de discordância que ganhou contornos transnacionais.


Argumentos pró-Mineração Submarina


•Os nódulos polimetálicos estão dispostos na superfície da crosta, podendo ser minerados sem a necessidade de perfuração do solo marinho e sendo transportados por meio de tubos, após serem aspirados por maquinário especializado;


•A exploração em mar gera menos gases poluentes do que a feita em terra, além de evitar consequências negativas como o desmatamento de áreas a serem mineradas, a utilização exacerbada do solo e o desperdício de água potável;


•A principal finalidade dos metais dispostos no mar profundo é o desenvolvimento de baterias de alta durabilidade para automóveis elétricos, o que deve contribuir para a redução da emissão de gases de efeito estufa;


•A Mineração Submarina pode contribuir para o alcance das metas de redução na emissão de carbono, as quais integram os projetos de sustentabilidade de diferentes países;


Argumentos contra a Mineração Submarina


•Embora haja a utilização de maquinário especializado e a perfuração do solo não seja necessária, milhões de micro-organismos serão retirados de seus habitats naturais junto com os nódulos ao longo do processo de aspiração;


•A presença de maquinário no mar profundo deve gerar agentes estranhos à biodiversidade da área, em especial poluição sonora, visual e sedimentar. Essa presença estranha pode ser fatal a diversas espécies e causar o desequilíbrio de dinâmicas como a cadeia alimentar marítima;


•O mar profundo é fonte de substâncias essenciais à ciência, em especial à área farmacêutica, e se for explorado de modo irresponsável, isso pode gerar consequências negativas à saúde humana;


•Ainda não há normas positivadas sobre a mineração submarina e a ciência ainda não conseguiu demarcar com exatidão quais são os efeitos da exploração a longo prazo.



Fonte: Conexão Mineral

0 comentário

Comments


bottom of page