top of page

Mineração: reaproveitamento de rejeitos pode reduzir impactos ambientais



Desde 2021, a Vale, maior mineradora do Brasil, já destinou 900 mil toneladas de areia sustentável ao setor de construção civil e a projetos de pavimentação rodoviária. Foram necessários sete anos de pesquisa para a criação da Agera, empresa específica de comercialização da areia produzida a partir do tratamento dos rejeitos gerados pelas operações de minério de ferro da Vale. Agora, a expectativa é distribuir 1 milhão de toneladas ainda neste ano e 2,1 milhões de toneladas em 2024.


Atualmente, são sete pontos de atendimento ao cliente e há estoque de material em dois estados: Minas Gerais e Espírito Santo. Mais de 80 fábricas de sete segmentos diferentes são atendidas pela empresa. Para a logística, são necessárias sete transportadoras rodoviárias e três fornecedores de frete ferroviário.


O CEO da Agera, Fábio Cerqueira, diz que a empresa nasceu para atender as necessidades do mercado. “Estamos estruturados para acelerar o desenvolvimento de produtos e materiais sustentáveis, atendendo às especificidades que o mercado exige. Além disso, nossas soluções logísticas permitem uma eficiência de ponta a ponta para garantir a agilidade no fornecimento da areia sustentável”, afirma.


O volume ainda é inexpressivo, se comparado aos cerca de 47 milhões de toneladas de rejeitos produzidos pela Vale em 2022, mas a expectativa com o lançamento da companhia é ampliar esses números nos próximos anos.


Os rejeitos da Vale, que podem ser dispostos em barragens ou em pilhas, são gerados a partir do processamento a úmido do minério de ferro e são compostos basicamente de sílica — principal componente da areia — e óxidos de ferro. Estima-se que de 70% a 80% do material enviado à barragem é arenoso. As pesquisas para reaproveitamento da areia e redução de rejeitos acontecem desde 2014 e a Agera continua investindo em estudos e desenvolvimento de novas soluções.


O diretor da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa Mineral (ABPM), Luiz Antônio Vessani, comenta os pontos positivos da iniciativa. “Eu acho que é muito bom para o meio ambiente, que pode ser bom para a construção civil, na medida que vai gerar um insumo controlado, de qualidade e, talvez, com um custo menor”, observa.


Para cada tonelada, a companhia deixa de depositar também uma tonelada de rejeitos em suas barragens. A expectativa é atingir, em 2025, 3 milhões de toneladas.


Mercado

O setor mineral é responsável por 4% do PIB nacional. No primeiro semestre de 2023, registrou alta de 6% no faturamento em relação ao mesmo período do ano passado, totalizando R$ 120 bilhões. As exportações minerais brasileiras alcançaram US$ 19,85 bilhões e 177,2 milhões de tonelada. Só do minério de ferro foram US$ 13,7 bilhões e quase 170 milhões de toneladas exportadas de acordo com o Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram).


Fonte : Brasil61.com

0 comentário
bottom of page