Mineração em Corumbá vai ter novas operações milionárias em mina na Estrada Parque



A Mineração Pirâmide Participações (PMM), que operou a Mineração Mato Grosso, na Estrada Parque, sediada em Corumbá e com sócios em Campo Grande, vai voltar a operar após 13 anos de inatividade. A previsão é que em 2022 haja extração de 600 mil toneladas de minério de ferro.

A empresa protocolou pedido de retomada de atividades nos órgãos públicos, conforme apurado. A exploração é para minério de ferro e há potencial para produção de minério de manganês de alto grau de pureza e com maior valor de mercado.

A operacionalização da empresa foi parada em 2008, após negociação com a Arcelor Mittal, que comprou os direitos de 49% da empresa em agosto daquele ano, não dar certo.


Com uma crise mundial instalada logo depois do negócio, a empresa que agora tem unidade em Três Lagoas manifestou o interesse em desfazer o negócio. Não houve acordo e a discussão arrastou-se por mais de uma década.


O que desembaraçou a situação neste ano é que a 4B Mining aceitou a compra e assumir o comando da operação, com 51% das ações da MPP. Conforme a Pipeline, publicação especializada no setor, a 4B Mining é formada por empresários do setor de mineração. A 4B Mining Paticipações tem capital fechado e divulgou nota para o mercado. O valor do negócio não foi divulgado.

Na época das tratativas entre PMM e Arcelor Mittal, os valores giravam em torno de US$ 70 milhões. O projeto em si estava avaliado em US$ 300 milhões.


Conforme nota ao mercado e a Pipeline, a extração de minério de ferro no projeto já tem venda acertada no modelo off-take com contrato de 5 anos com a Glencore. A multinacional suíca assumiu 100% da compra de produção e fez pré-pagamento de US$ 3,25 milhões.

Além do minério de ferro, o minério de manganês a ser explorador é indicado como de alto grau de qualidade e valor de mercado alto.

Para um prazo de 3 anos, a expectativa é que a extração chegue a 2,1 milhões de toneladas.

Paulo Gouvêa, CEO da 4B Mining, conhece as operações em Corumbá, pois foi diretor da MMX, que já teve operação na cidade.



Fonte: correiodecorumba.com.b



0 comentário