Minério de ferro e aço caem na China sob temores de contenção de preços

Os futuros de minério de ferro e aço chineses lideraram uma onda de vendas em todo o complexo de metais do país na quinta-feira (20), depois que o governo anunciou uma supervisão mais rigorosa dos mercados de commodities para conter os preços exorbitantes, gerando uma ampla correção de base.


O contro de minério de ferro de setembro, o mais negociado na Dalian Commodity Exchange, chegou a cair até 9%, para 1.102 iuanes (US$ 171,16) a tonelada. O ativo atingiu um recorde de 1.358 iuanes em 12 de maio, mas fechou em queda de 4,19% nesta quarta-feira, a 1.142,50 (US$ 218,15) a tonelada.

Na Bolsa de Cingapura, o contrato de minério de ferro mais negociado em junho caiu 6,8%, para US$ 192,15 a tonelada. Ele atingiu um pico recorde de US$ 233,75 em 12 de maio.

A China, maior produtor mundial de produtos siderúrgicos, aumentou drasticamente o consumo de minério de ferro e outros ingredientes do aço, ao mesmo tempo em que aumentou a produção para uso na produção de eletrodomésticos e materiais de construção, em meio à robusta demanda impulsionada por medidas de estímulo globais.

Isso impulsionou os preços a picos recorde este mês, com o minério de ferro spot subindo para mais de US$ 200 a tonelada.

Mesmo em queda de 0,32%, a carga física do minério de ferro com 62% de conteúdo Fe fechou o dia a US$ 218,15 a tonelada, segundo a consultoria MMI, de Xangai.


Nesta quarta-feira, o gabinete da China prometeu fortalecer sua gestão de oferta e demanda de commodities para conter aumentos de preços "irracionais" e evitar que sejam repassados aos consumidores.

"Os preços das commodities ficaram sob pressão durante a noite em meio ao sentimento de risco mais amplo e de acordo com o alerta do Conselho de Estado da China sobre os preços", disse Tapas Strickland, economista do National Australia Bank em Sydney.

"Ainda assim, a retração nos preços das commodities da noite para o dia precisa ser vista no contexto da forte alta deste ano."

Richard Lu, analista sênior do escritório da consultoria de commodities CRU Group em Pequim, disse que a disparada dos preços do aço "vai assustar alguns consumidores em algum momento".

Mas ele disse que as margens do aço "permanecem boas na média", o que encorajará as usinas chinesas a continuar operando intensamente, a menos que novas restrições sejam implementadas.

O vergalhão de aço para construção e a bobina laminada a quente na Bolsa de Futuros de Xangai caíram 8%, atingindo o nível mais baixo desde 13 de abril. O aço inoxidável caiu 4,7%.

O carvão coqueificável de Dalian caiu pelo limite inferior do dia de 8%, enquanto o coque perdeu 7,5%.


Com informações da Reuters.

0 comentário