Jaguar cruza mineralização "significativa" próxima a operações de ouro em MG

A Jaguar Mining cruzou uma zona mineralizada “significativa” de sulfeto no alvo Córrego Brandão, próximo ao complexo de ouro de Caeté, em Minas Gerais. Segundo a empresa, a campanha de sondagem em andamento no ativo retornou até 11,25 gramas de ouro por tonelada (g/t Au) em 3,8m dentro de uma zona mineralizada mais ampla com teor de 4,63 g/t Au em 12,45m.


Córrego Brandão é um dos alvos recém-descobertos - o outro é Zona Basal - pela mineradora canadense, que já anunciou a possibilidade de desenvolvimento de novas operações a céu aberto na propriedade. O ativo é vizinho ao Complexo de Caeté, onde a companhia processa o ouro extraído da mina Pilar.

Segundo a Jaguar, até o momento foram concluídos 38 furos de sondagem diamantada para fase de reconhecimento (4.820m) em Córrego Brandão. A mineradora informou que agora a campanha está testando potencial para mineralização de sulfeto estruturalmente controlada abaixo da zona de óxido a aproximadamente 100m de profundidade.

"Esta sondagem definiu amplamente, embora numa série de furos graduais, uma tendência mineralizada definida por uma superfície consistente de ouro em anomalia do solo (> 100ppb Au) e amplas zonas de mineralização de óxido dentro de um perfil com média de 30m-40m de espessura, estendendo-se ao longo de um comprimento de strike de cerca de 500m. A tendência mineralizada permanece aberta em strike e mergulho", declarou a empresa.

De acordo com a companhia, já foram relatados os resultados de 27 furos do programa. Entre os destaques, a Jaguar cita intersecção de sulfeto (teor de corte de 0,5 g/t Au) de 4,63 g/t Au em 12,45m, incluindo 11,25 g/t em 3,80m; e intersecções de óxido (teor de corte de 0,25 g/t Au) de 4,2 g/t Au em 40m, incluindo 15,81 g/t Au em 6,10m e 33,60 g/t Au em 1,5m; 1,41 g/t Au em 40,05m, incluindo 3,38 g/t Au em 7,50m; 0,78 g/t Au em 46,15m, incluindo 0,94 g/t Au em 22,50m; e 1,84 g/t Au em 25,55m, incluindo 2,41 g/t Au em 6,15m.

O vice-presidente de Exploração e Geologia da Jaguar, Jon Hill, afirmou que os primeiros resultados da campanha deixam a equipe "muito encorajada". "Em particular, a recente intersecção de sulfeto no furo FCB017 confirmou nossa expectativa de que o potencial para mineralização de de alto teor, estruturalmente controlada, seria provavelmente encontrada, por meio de uma extensão abaixo do afloramento e próxima à mineralização de óxido superficial", disse ele.


"Desde o final de 2020 temos acelerado com sucesso as atividades de exploração em nosso excepcional portfólio de propriedades dentro do Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais e, em particular, temos focado nossos esforços em minas e alvos de exploração de mina, como o projeto de descoberta Córrego Brandão", acrescentou o diretor-executivo da mineradora, Vern Baker.

"Os primeiros resultados positivos de Córrego Brandão podem ter o potencial de aumentar nossos recursos atuais. Todos os resultados positivos alcançados em nosso portfólio de projetos apóiam nossos objetivos de crescimento orgânico, alavancando a capacidade de moagem em excesso disponível em três plantas", completou Baker.


Fonte: Notícias de Mineração do Brasil

0 comentário