top of page

Herdeira de mineiro que encontrou maior pepita de ouro do mundo conta que família tem vida normal: 'não sou rica'

Corrida do ouro ocorreu em diversos países no século XIX e teve seu auge na Austrália, onde John Deason e Richard Oates fizeram 'descoberta da vida'


Durante o século XIX, vários países viveram a chamada "corrida do ouro", em que uma onda de pessoas se dirigiu a pontos estratégicos para trabalhar em minas perigosas e com segurança precária, a fim de experimentar a possibilidade de se tornarem milionários com um pouco de dinheiro. Dos Estados Unidos à Argentina vivenciaram esse fenômeno, mas na Austrália foi vivenciado com maior preponderância quando John Deason e Richard Oates encontraram a maior pepita de ouro do mundo. Desde então, sua realidade mudou completamente.

Este acontecimento ocorreu nas jazidas de ouro de Victoria, no país insular e colônia britânica, em fevereiro de 1869. Naquela época, as condições dos trabalhadores eram precárias, mas a oportunidade de descobrir pedras preciosas e mudar sua realidade vulnerável falou mais alto.


E assim aconteceu, quando os mineiros desenterraram esta pedra a poucos metros da superfície, que pesava 72kg e media 61 centímetros de comprimento. Por essa descoberta, eles receberam 10 mil libras esterlinas e passaram de humildes trabalhadores a milionários em pouco tempo. Eles o chamaram de Welcome Stranger, e uma réplica está atualmente exposta no Museu Dunolly.


“As pessoas me perguntam se sou rica.”


Em 2019, os descendentes de Deason e Oates organizaram uma comemoração 150 anos após a descoberta. À emissora britânica BBC, seus tataranetos contaram a história dos mineiros. Suzie Deason foi uma das pessoas que trabalhou na festa de época, onde os vizinhos se vestiam com roupas de 1800, e todos imitavam o espanto e o interesse pela surpresa com a Welcome Stranger.


“Quando as pessoas ouvem meu nome, sempre me perguntam onde está o ouro ou se sou rica. Infelizmente não sou, e nem temos joias feitas com a pedra”, disse Suzie.


Réplica da Welcome Stranger exposta no Museum Victoria, na Austrália, local em que pepita de ouro foi encontrada por John Deason e Richard Oates em 1869 — Foto: Reprodução/Museum Victoria



Entre 1850 e 1860, a cidade de Moliagul tornou-se o epicentro da corrida do ouro australiana. Foi aí que a maior pepita de todas foi desenterrada. Graças a isso, o boom imobiliário e o pequeno comércio cresceram excessivamente, mas quando cessou o aparecimento das pedras preciosas, os prédios foram abandonados, sem hotéis ou grandes lojas.

No local onde a impressionante pedra foi descoberta, foi erguido um monumento, que se tornou a atração da região junto com a história dos dois sortudos garimpeiros.

“As pessoas viajam para cá para tentar a sorte e passam dias e dias tentando encontrá-lo. Ainda restam algumas pepitas de ouro de tamanho razoável, mas nada como Welcome Stranger”, disse Suzie.


Nos registos daqueles anos, consta que os dois amigos, que se conheceram em Moliagul, começaram a trabalhar como mineiros em 1851. Os dois tiveram uma vida de esforço e dificuldades, mas em um dia típico e igual aos anteriores, a sua realidade mudou para sempre. A um dos jornais que noticiaram o acontecimento, John explicou:


“Tentei tirar a semente com uma ferramenta, mas o cabo quebrou. Então peguei um pé de cabra e puxei a pepita para a superfície.”


Uma vez fora, levaram-na para Dunolly, uma cidade a 20km de distância, para verificar o seu peso.


“Estamos felizes que esse monstro tenha caído nas mãos de homens tão firmes e trabalhadores”, diz uma das frases do Dunolly & Bet Bet Shire Express de 12 de fevereiro de 1869. Se a referida semente tivesse que ser vendida hoje, custaria dois milhões de dólares.


0 comentário

コメント


bottom of page