Escavadeira a hidrogênio premiada na bauma 2022

O protótipo, desenvolvido pela Liebherr-France SAS, é alimentado por um motor de combustão de hidrogênio H966.


A Liebherr recebeu o Prêmio de Inovação Bauma, na categoria ‘Proteção Climática’, por sua escavadeira de esteiras movida a hidrogênio, modelo R 9XX H2, que possui motores de combustão a hidrogênio. O protótipo, desenvolvido pela Liebherr-France SAS, é alimentado por um motor de combustão de hidrogênio H966. Foi produzido na Liebherr Machines Bulle SA, o centro de competência de motores do Grupo Liebherr no cantão suíço de Friburgo.


Em termos de potência, dinâmica e capacidade de resposta, a escavadeira a hidrogênio R 9XX H2 não deixa nada a dever a nenhuma máquina convencional e não depende de um fornecimento contínuo de energia. Adequado para uso sob temperaturas extremas, choque e condições de alta poeira em locais de construção, o peso operacional de 50 toneladas da R 9XX H2 pode, no futuro, oferecer uma solução robusta para aplicações de terraplenagem e pedreiras.


O motor do R 9XX H2 tem seis cilindros e usa injeção de combustível de porta (PFI), que a Liebherr emprega junto com injeção direta (DI) para seus motores a hidrogênio. O segmento de produtos de componentes da Liebherr planeja começar com a produção em série de motores a hidrogênio até 2025. A escavadeira faz parte de uma feira de máquinas no estande da Liebherr na área externa, onde a empresa está expondo uma variedade de máquinas e protótipos com sistemas de acionamento alternativos. O estande ainda oferece um encontro prático com o segundo protótipo do motor de combustão de hidrogênio H966. Ele pode ser encontrado no “InnovationLab”, uma área de exposição dedicada à abordagem aberta da Liebherr para conceitos de acionamento alternativos. Outro protótipo de quatro cilindros de um motor a hidrogênio de quatro cilindros, o H964 com injeção direta (DI), pode ser visto no estande da Liebherr Components.


O prêmio de Inovação da bauma está em sua 13ª edição e conta com cinco categorias – proteção climática, digitalização, engenharia mecânica, construção e pesquisa – que refletem desafios políticos, sociais, econômicos e ecológicos. O júri especializado julga critérios como orientação prática, potencial económico, aspectos de proteção ambiental, conservação de recursos, eficiência e humanização do local de trabalho. O prêmio é concedido pela Messe München e pela Associação Alemã da Indústria de Engenharia Mecânica (VDMA), juntamente com a Federação Alemã da Indústria da Construção (HDB), a Confederação Alemã da Construção (ZDB) e a Federação Alemã de Materiais de Construção (bbs).



Fonte: Brasil Mineral, assine e tenha acesso a um vasto conteúdo de notícias do setor mineral

0 comentário