Dispositivo movido a energia solar pode gerar água potável para mais de 1 bilhão de pessoas

Mineração contribui para o desenvolvimento de tecnologia capaz de captar água potável a partir do ar




Pesquisadores da empresa Alphabet criaram uma tecnologia capaz de captar água potável a partir do ar. O Projeto H2E (“Hidratação para Todos”), um equipamento específico para o puxar o ar, e, por meio de ventiladores e luz solar, inicia-se o processo de condensação, em que é cada gota de água.


Para isso, são utilizados painéis fotovoltaicos, responsáveis ​​por alimentar uma ventoinha. Segundo os idealizadores do projeto, esse mecanismo atinge uma área de coleta de energia solar que mede 1 m², suficiente para produzir até 5 L de água potável por dia utilizando apenas energia renovável.


Dispositivo utiliza painéis fotovoltaicos . Crédito: divulgação.


Mas como a mineração contribui para o desenvolvimento do dispositivo? Metais e minerais foram utilizados na sua criação. O painel solar é o equipamento essencial para se gerar energia fotovoltaica, o qual é composto por células fabricadas a partir de materiais semicondutores, como o silício, que absorvem a luz do sol e geram energia elétrica efeito fotovoltaico .


Para atingir o nível máximo de desempenho, é necessário levar em consideração algumas condições ideais para o uso de um coletor de água atmosférico. Quando o ar está muito seco, por exemplo, os dispositivos não funcionam bem. Também precisa de temperatura e luz solar suficientes, assim como umidade relativa do ar pelo menos 30%. Sendo assim, embora o dispositivo seja altamente útil em climas tropicais, é improvável que atenderá às necessidades daqueles que vivem em ambientes áridos.



Panorama mundial


Atualmente, a estimativa é que pelo menos 2,2 bilhões de pessoas do mundo não possuam água potável. Isso significa que uma a cada 4 pessoas, em média, ainda bebe água contaminada. A previsão é que esse número seja ainda maior à medida que o aumento do nível do mar impacte sobre os corpos de água doce.


Os pesquisadores utilizaram um conjunto de dados da OMS / UNICEF que mapearam exatamente onde essas pessoas vivem e, pela primeira vez, compararam esses locais com as condições climáticas ideais para o uso de um coletor de água atmosférico. Em seguida, compararam esses locais com as condições climáticas ideais para o uso de um coletor de água atmosférico.


Os resultados induzidos que 1 bilhão de pessoas sem acesso à água potável, atualmente, estão situadas nas regiões onde o clima permite o uso do aparelho movido a energia solar.


Custo do equipamento


Dispositivos de captação de água atmosférica usam uma grande quantidade de energia para gerar cada litro de água, então o tipo de dispositivo simples e de baixo custo que a equipe desenvolvida nunca poderia produzir água suficiente para atender a todas as necessidades. Mas, em muitos lugares, pode fornecer água potável suficiente.


O equipamento da empresa foi projetado para ser acessível para pessoas que vivem com receita de US $ 2 a US $ 8 por dia. Composto por peças moldadas a vácuo, o dispositivo aprimorado nos últimos três anos e tem capacidade de gerar água potável por apenas 10 centavos cada litro.


Entretanto, os pesquisadores responsáveis ​​pelo projeto pretendem reduzir o custo para apenas 1 centavo, e, para isso, tornado seu projeto de código aberto para que outros pesquisadores possam contribuir com o avanço.


Em última análise, os pesquisadores pretendem criar um dispositivo de energia renovável que pode gerar água sem nenhum custo em todos os climas, incluindo ambientes secos com níveis baixíssimos de umidade relativa.


Segundo os pesquisadores, enfrentar o impasse pode fornecer uma solução viável para uma das maiores dificuldades que uma parte da população mundial tem enfrentado. Por isso, a empresa está abrindo seus dados, protótipos, softwares e documentos de hardware no Github e Figshare para que qualquer pessoa pode usar a propriedade intelectual e continuar avançando com o trabalho.


Com informações dos sites Fast Company , Click Petróleo e Gás e Portal da Mineração

0 comentário