De pai para filho, a mineração conquista diversas gerações

Conheça as histórias dos mineiros aposentados Jorge Scussel e Jorge Domingos



Os constantes avanços tecnológicos no processo de mineração tornam a profissão mais acessível, mas a vontade de ser mineiro muitas vezes vem pela influência do lar. O zelo pela atividade é passado de geração para geração e envolve muitas famílias. Seja pelo acesso ao ensino de qualidade ou pela vocação compartilhada.

A paixão pelo exercício da profissão está presente na família de Jorge Scussel, um dos primeiros técnicos em eletromecânica formados pela Satc. O mineiro aposentado relata que o pai sempre sonhou em ter os filhos formados e a mineração possibilitou que essa vontade se tornasse uma realidade.

“Eu trabalhei na mina por 37 anos, meu pai também era mineiro e isso me proporcionou ver meus três filhos formados também pela Satc”, afirma.



O amor pela mineração também pode ser percebido na família do mineiro aposentado Jorge Domingos. “Meu pai trabalhou 33 anos na antiga CSN e desde a primeira vez que eu baixei mina já sabia que era isso que eu queria fazer pro resto da vida e hoje meu filho também trabalha na área”, conta o profissional que concluiu o curso técnico em Mineração em 1982 na Satc.


Jorge Domingos

O assunto aparece até nos almoços de família aos domingos. “Eu consegui tudo que tenho hoje por causa da mineração. Pude dar um bom estudo para meu filho por causa do vínculo entre a Satc e a mina”, relembra Domingos. Para Scussel o que mais deixa saudade de quando trabalhava na mina é o ambiente de companheirismo e trabalho em equipe durante o serviço. “As conversas descontraídas tornavam tudo muito mais gostoso. Além da família de sangue, nós tínhamos a família da mina”, comenta.

O presidente do Sindicato dos Mineiros de Criciúma e Regiões, Genoir José dos Santos, o Foquinha ressalta a grande tendência de permanecer na carreira. “Antigamente as vagas na mineração eram passadas de pai para filho, havia esse entendimento entre o trabalhador que se aposentava e a empresa. Hoje isso já não está mais em prática, mas a grande maioria dos mineiros tiveram seus pais trabalhando na mineração e herdaram a profissão”, conclui.


Fonte: g1.globo.com/sc

0 comentário