Casos de estupro na BHP afetam imagem da mineração australiana

A BHP é o alvo, mas cinco anos depois dos primeiros escândalos as maiores mineradoras do mundo estão competindo para tranquilizar as mulheres que podem fornecer um ambiente de trabalho seguro em meio a duas acusações de estupro na Austrália Ocidental.


A polícia recebeu denúncia de uma mulher de 35 anos sobre duas acusações de estupro no mês passado após um incidente na acomodação "fly-in fly-out" da BHP em uma operação em local remoto de Pilbara. No ano passado, um funcionário da BHP de 42 anos foi acusado do estupro de uma colega em Perth.

Após uma investigação independente, a BHP demitiu dois homens, que negaram as acusações.

As alegações levantadas enquanto as empresas de recursos naturais buscam novas contratações femininas para aumentar a diversidade e abordar a escassez de habilidades destacam a cultura de trabalho de um setor ainda dominado pelos homens.

Na semana passada, o Parlamento da Austrália Ocidental ordenou uma investigação sobre assédio sexual no setor de mineração após reportagens da mídia local sobre várias outras mulheres reclamando de assédio sexual à polícia.

As mineradoras relataram 12 agressões sexuais e nove assédios sexuais nos últimos três anos, de acordo com os governos locais.


O escândalo levou a uma coletiva de imprensa conjunta de executivos seniores da BHP, Rio Tinto, Fortescue Metals Group, Woodside Energy e Newmont, anunciando um raro pedido de desculpas público. Todas as mineradoras estão empenhadas em tornar seus locais de trabalho mais seguros para as mulheres, que representam pouco mais de um quinto dos mineiros australianos.

"Estupro, agressão sexual, assédio sexual. Não há lugar na BHP, nossa indústria ou mesmo em outras empresas em toda a Austrália", disse Brandon Craig, presidente da Western Australian Iron Ore da BHP.

Investidores aumentam o escrutínio sobre mineradoras australianas depois que a Rio Tinto destruiu uma caverna aborígine de 46.000 anos no ano passado, e dois rompimentos de barragens de rejeitos mortais no Brasil nos últimos anos levaram fundos de pensão e outros investidores a deixarem a mineração. A segurança do trabalhador passou a ser uma prioridade dentro da responsabilidade ambiental, social e da governança (ESG) das empresas.

O Australian Council of Aging Investors (ACSI), cujos membros administram A$ 1,5 trilhão (US$ 1,1 trilhão) em ativos, disse ao Financial Times que era "muito decepcionante" ouvir relatos de agressão sexual.

"Esta é uma preocupação para os investidores e um tópico de envolvimento com empresas de mineração", disse a diretora-executiva do ACSI, Louise Davidson.

O Australian Corporate Responsibility Centre (ACCR), um órgão de defesa dos acionistas, disse que a principal responsabilidade pela prevenção e resposta recai sobre os conselhos de administração corporativos.

"A Rio e a BHP fizeram grandes promessas de aumentar a diversidade de gênero de seus funcionários", disse Daisy Gardener, do ACCR. "Só que aumentar o número de mulheres não significa implementar sistemas, políticas e procedimentos necessários para mantê-las seguras no local de trabalho."

A Comissão de Direitos Humanos informou no ano passado que cerca de três quartos das mineradoras sofreram assédio sexual nos últimos cinco anos, revelando que as mulheres em locais de trabalho dominados por homens correm maior risco.

Jess Gilbert, pesquisadora do Centre for Transformble Work Design da Curtin University em Perth, disse que a cultura "super-masculina" emerge facilmente na indústria de mineração quando se trata de trabalho "perigoso, bruto, sujo e técnico". "Isso afeta as mulheres ao tornar a discriminação, a desvalorização e o assédio mais socialmente aceitáveis", disse.

O problema não é exclusivo da Austrália. Quando Susan Lomas conseguiu seu primeiro emprego como geóloga em uma mina canadense no fim dos anos 1980, alguns de seus colegas fixaram fotos pornográficas em sua área de trabalho. Quando ela as removeu, um colega ameaçou quebrar seu dedo com uma trituradora.

"Foi realmente chocante. Falei com o geólogo chefe, que falou com o gerente da mina, mas tive que continuar trabalhando com eles", disse Lomas. Em outra ocasião, ela teve que lutar com um colega geólogo que tentou forçá-la a entrar em seu quarto após uma sessão de bebidas.

"Isso realmente depende da cultura do local de trabalho", disse Lomas. "Às vezes, a cultura era ótima, mas às vezes a cultura do local de trabalho era controlada. Muitas admitem o álcool, especialmente se os acampamentos fly-in e fly-out permitirem álcool."

Inspirado por #MeToo, a MoveLomas fundou a #MeTooMining em 2017 para alcançar outras vítimas de assédio e começar a defender que as empresas façam mais para proteger as trabalhadoras.

Alguns dos relatos mais desastrosos de violência contra as mulheres ocorreram na África do Sul. No país, os sindicatos fizeram campanha por condições de trabalho mais seguras para as mulheres depois que um colega da Anglo American Platinum Mine estuprou e matou Binky Mosian em 2012.

A indústria de mineração australiana deu as boas-vindas à investigação do Parlamento da Austrália Ocidental, dizendo que estava trabalhando em reformas para melhorar a segurança das mulheres.

Paul Everingham, diretor-executivo do Western Australian Mineral Energy Council, disse: "se as pessoas querem vir trabalhar para você, você deve ter um local de trabalho seguro e educado".

Na semana passada, o Conselho de Minerais da Austrália anunciou um novo código de conduta com o objetivo de eliminar o assédio sexual.

A BHP já fez mudanças de política em operações remotas. Este mês, a empresa limitou o consumo de álcool dos funcionários e afirma que também planeja investir US$ 89 milhões este ano para melhorar a segurança e atualizar os campos. Isso inclui adicionar câmeras de monitoramento, fornecer escoltas para mulheres e fortalecer a segurança.

Os funcionários da BHP e de outras mineradoras já há algum tempo passam por treinamentos para agir com respeito.

Especialistas em locais de trabalho dizem que a disposição do setor em contratar e promover mais mulheres pode mitigar a crise cultural.

A BHP é líder do setor, com mulheres representando 26,5% de sua força de trabalho, bem abaixo de sua meta de 50-50.

A Fortescue é liderada por Elizabeth Gaines e seu conselho de administração consiste em quatro mulheres e cinco homens, enquanto na Rio Tinto o conselho é formado por seis homens e quatro mulheres.

Uma das principais preocupações entre executivos e defensoras é que escândalos recentes desencorajam as pessoas a entrar no setor.

"Minoria de gênero, raça ou outros trabalhadores culturalmente desvalorizados têm tolerância muito baixa para culturas de trabalho inadequadas e se sentem inseguros, isolados, desprezados ou observam isso acontecer a outras pessoas sem consequências significativas, e por isso procuram imediatamente emprego em outro lugar", disse Lomas. As informações são do Financial Times.

0 comentário