top of page

Barragem próxima ao Miguelão é reforçada e evolui de nível de emergência

Barragem de sedimentos Capitão do Mato, em Nova Lima, passou do nível 2 de emergência para o nível 1.



Após 3 anos de intervenções, mais uma barragem mineira que estava em risco ganha reforço e melhora de nível de estabilidade. A mineradora Vale informou que a Barragem Capitão do Mato, em Nova Lima, na Grande BH, passou do nível 2, onde obras emergenciais feitas não garantiram a solidez da estrutura, para o nível 1, que caracteriza barramentos que precisam de intervenções, segundo conceituação da Agência Nacional de Mineração (ANM).

A estrutura se localiza na Mina Capitão do Mato, que é parte do complexo de Vargem Grande, a cerca de 3 quilômetros do Condomínio Lagoa do Miguelão, às margens da BR-040, mas o escoamento do reservatório se dá no sentido oposto, para Rio Acima. Em 2019, 20 famílias foram removidas da Zona de Auto-Salvamento (ZAS) da Capitão do Mato.

A construção foi feita em etapa única e tem 38,31 metros de altura e retém 1,8 milhão de metros cúbicos de sedimentos, sendo a sua função de decantar esse material advindo a operação minerária para clarificar água e a deixar fluir limpa.

"A estrutura esteve preventivamente no nível 2 de emergência até a conclusão da análise técnica do histórico e obras de reforço na estrutura. Após constatação de melhorias de segurança nas condições atuais da barragem, nível de emergência foi reduzido para 1 na última terça-feira , informa a Vale.


  • Vale irá tirar 50% dos rejeitos de barragem em Macacos até fim do ano.


"A ação foi comunicada aos órgãos competentes, conforme diretrizes estabelecidas no Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM) e na legislação brasileira, incluindo a Agência Nacional de Mineração (ANM) e a auditoria técnica do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG)", afirma a mineradora.

Ainda de acordo com a Vale, a barragem Capitão do Mato passa por inspeções rotineiras de campo de equipes internas e externas e é monitorada permanentemente pelo Centro de Monitoramento Geotécnico (CMG) e por instrumentos, como piezômetros, estações robóticas e câmeras de vídeo.

Os moradores removidos ainda precisam esperar também o processo de desmanche (descaracterização) da Barragem de Vargem Grande para retornar, uma vez que a ZAS das duas estruturas é parcialmente sobreposta.


  • Em acordo com o MP, Vale investirá R$ 40 milhões na segurança de barragens


"A Vale segue empenhada no atendimento às melhores e mais rigorosas práticas internacionais de engenharia para gestão de suas barragens, com destaque para a adesão do Padrão Global da Indústria para a Gestão de Rejeitos (GISTM, em inglês), e com foco prioritário na segurança das pessoas e cuidados com o meio ambiente", disse a empresa.


Fonte: Estado de Minas.

0 comentário

コメント


bottom of page