AngloGold usa IA para automatizar desmonte de rochas e aumentar segurança em MG

A AngloGold Ashanti vai adotar inteligência artificial para automatizar seu sistema de desmonte de rochas e aumentar a segurança no uso de explosivos na mina subterrânea Cuiabá, em Sabará (MG). O projeto feito pela Beyond Mining para o quinto ciclo do M-Start do Mining Hub permite ainda 84% de acurácia na previsão da fragmentação após a detonação.


Em entrevista ao Notícias de Mineração Brasil (NMB), o cofundador e diretor de produtos da startup, Paulo Lopes, destaca que a solução está em escala de produção e deverá estar 100% operacional na mina em um período de quatro a seis meses.

Ele disse que a solução também está disponível para outras mineradoras, com valor de investimento no sistema de acordo com a demanda e o porte da operação, a quantidade de antenas e o volume de explosivos usados na mina.

No desafio apresentado pela AngloGold, ela buscava um controle preciso e em tempo real de todas as etapas do desmonte de rochas com explosivos, "associado ao excesso de fator humano e burocracia inerentes ao processo, gerando perda de informação, descontrole do processo e a não aplicação do explosivo retirado do paiol".

A Beyond Mining, então, segundo o diretor da Beyond Mining, fez um projeto com inteligência artificial para automatizar o processo e aumentar a segurança no manejo com os explosivos.

"O projeto trabalha com o sistema de tags RFID (identificação por radiofrequência). A gente desenvolveu essa tag para ser colocada em cada unidade de explosivo. Com essa tag, o explosivo passa por uma leitora RFID, que fica localizada do lado de fora do paiol", explica o diretor.


"Aí temos um registro do explosivo que entra e do explosivo que sai. Essa leitura alimenta um banco de dados em nuvem e esse banco de dados alimenta a nossa inteligência artificial, que cria relatórios e análises automatizadas para otimizar o processo. A operação, que antes era muito manual, agora possui várias etapas automatizadas e tudo online. Isso permite rastreabilidade e confiabilidade", acrescentou.

Ele afirma que outro grande benefício do projeto foi o fato de a IA melhorar a fragmentação da rocha e estabelecer uma acurácia de 84% na previsão da fragmentação.

"A fragmentação da rocha é muito importante. Em certos processos minerais, depois que a rocha é quebrada com explosivo, ela tem que ser transportada, vai para um britador, depois para o moinho. E do moinho vai para a usina, e da usina para ser processada e para ser extraído o mineral de interesse econômico, no caso da AngloGold, a extração de ouro. Esse é um processo que consome muita energia. E quando você tem uma fragmentação melhor, lá na fase inicial, você tem muitos benefícios no restante do processo", avalia.

Projetos

Ainda segundo o diretor da startup, no fim de maio, a empresa entregou para a Vale, também por intermédio do Mining Hub, um projeto para previsão da performance do sínter no processo metalúrgico, com uma acurácia de quase 95%.

"A gente criou a inteligência artificial baseada nas propriedades químicas e nos parâmetros de processo, calculando a performance desse sínter no processo metalúrgico, com quase 95% de acurácia. O projeto também trouxe redução de custos com ensaios laboratoriais, pois antes de usar a inteligência artificial, eles tinham que tirar a amostra e mandar para o laboratório. Além de ser um ensaio caro, demorava mais ou menos três dias para cada ensaio sair. Com a nossa tecnologia, o resultado é instantâneo", relata.

A startup ainda tem como clientes as mineradoras Anglo American, Mineração Rio do Norte (MRN) e Ernst & Young.

A plataforma de inteligência artificial da Beyond Mining é chamada de Gaia, foi desenvolvida durante cinco anos e foi lançada no mercado em 2019. Ela traz insights à operação, através de previsibilidade de resultados, otimização de processos e simulação de cenários.

A startup é uma Mining Tech, nascida do chão de mina, a partir da "inquietação com a subutilização de dados". As soluções da empresa buscam dados gerados pela operação para, a partir deles, entregar otimização de processos, simulação de cenários e previsibilidade de resultados. Sua principal tecnologia é a inteligência artificial. O site da startup é www.beyondmining.tech .


Fonte: Notícias de Mineração do Brasil

0 comentário