top of page

AngloGold inicia novo ciclo do programa de qualificação para mulheres

Turmas de 40 alunas darão início à formação de Auxiliar de Geologia, em Caeté (MG), e Manutenção Mecânica Industrial, em Crixás (GO).


Terão início neste mês de maio as aulas do segundo ciclo do Programa de Qualificação Profissional para mulheres da AngloGold Ashanti, o PRO, principal iniciativa da produtora de ouro pela inclusão feminina no setor da mineração.


Em Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG), onde a empresa mantém as Operações Cuiabá, a aula inaugural será na próxima terça-feira, 30/05. Já em Crixás, Goiás, onde está localizada a Operação Serra Grande, a formação iniciou no dia 24 de maio. Para esta etapa, são 40 mulheres que vão se dividir em duas turmas de 20 alunas, cada.


O curso tem duração de aproximadamente três meses e carga horária de quatro horas por dia. As aulas são para os cursos de Auxiliar de Geologia, à noite, na Fundação Educacional de Caeté (FEC), e de Manutenção Mecânica Industrial, à tarde, no Senai de Crixás.


Segundo a mineradora, nas aulas inaugurais, as alunas são recepcionadas por empregados das operações Cuiabá e Serra Grande e recebem as primeiras informações sobre as áreas de atuação em que vão se formar. Têm também um momento com a direção das duas unidades para apresentação geral da empresa e acerca do programa de qualificação profissional.


O programa


A primeira edição do PRO, em 2022, formou 52 mulheres nas cidades de Nova Lima, Caeté e Crixás. A empresa espera fortalecer a economia local e contribuir para a geração de emprego, renda e desenvolvimento social das localidades. A iniciativa é uma parceria entre a AngloGold Ashanti e prefeituras locais. A abertura de novas turmas está sendo avaliada pela empresa e as inscrições, assim que liberadas, terão ampla divulgação e vão ocorrer pela plataforma de gestão de pessoas Gupy (clique aqui).


“O programa une dois pilares do nosso compromisso social: o incentivo à diversidade e ampliação da participação das mulheres na mineração com a contratação local e desenvolvimento das localidades que nos hospedam”, ressalta Felipe Fagundes, gerente sênior de Recursos Humanos.


Fonte: revista Mineração & Sustentabilidade

0 comentário
bottom of page