Anglo American reduz meta de produção do Complexo Minas-Rio para 2021

A Anglo American reduziu a faixa de meta de produção de minério de ferro do Complexo Minas-Rio. Em relatório com resultados trimestrais divulgado nesta terça-feira (20), a empresa afirma que “novas manutenções não planejadas” na planta de processamento afetaram as operações no segundo trimestre.


De acordo com a mineradora, a faixa de meta de produção de minério de ferro de 2021 foi reduzida de 64,5 milhões a 67,5 milhões de toneladas para 64,5Mt a 66,5Mt, sendo 40,5Mt a 41,5Mt em Kumba, na África do Sul, e 24Mt a 25Mt nas operações brasileiras - cuja previsão anterior era de 24Mt a 26Mt. A Anglo American observou que a previsão está "sujeita à extensão de outras interrupções relacionadas à Covid-19 e desempenho ferroviário em Kumba".

Produção

Devido às manutenções não planejadas, Minas-Rio produziu 5,9 milhões de toneladas entre abril e junho passados. O volume representa crescimento de 5% em relação aos 5,6Mt produzidos no trimestre anterior - período chuvoso na região Sudeste do país -, mas uma queda no mesmo percentual quando comparados com os 6,2Mt registrados no mesmo período de 2020.

No primeiro semestre, a produção em Minas-Rio foi de 11,6Mt, redução de 9% na comparação com os 12,6Mt dos primeiros seis meses do ano passado.

Segundo a mineradora, as manutenções na planta de beneficiamento foram concluídas e a companhia tem previsão de "recuperação da maior parte dos volumes no restante do ano".


A companhia afirma que a queda na produção brasileira de minério de ferro foi "parcialmente compensada" pelo desempenho de Kumba, onde foram produzidos 20,4Mt no primeiro semestre, acréscimo de 12% sobre os 18,2Mt do mesmo período de 2020.

De acordo com a mineradora, o preço médio realizado pelo minério brasileiro no primeiro semestre foi de US$ 200/tonelada (free on board Brasil, base úmida). A empresa ressaltou que o valor foi "superior ao preço do Metal Bulletin 66 de US$ 165/tonelada, refletindo a qualidade premium do produto", incluindo maior (aproximadamente 67%) teor de Fe e cronograma nos volumes com preços provisórios".

No caso de Kumba, o preço médio realizado no primeiro semestre foi de US $ 216/tonelada (FOB África do Sul, base úmida), "superior ao preço de referência de 62% Fe de US$ 163/tonelada devido ao granulado e à qualidade do teor de Fe prêmios que os produtos atraem no mercado".


Fonte: Notícias de Mineração do Brasil

Assinem ao NMB e tenha acesso a esse e outros conteúdos exclusivos.

0 comentário