Altona vai investir R$ 54 milhões para atender demanda de aço em 2022

O conselho de administração da fabricante de peças de aço fundido Electro Aço Altona aprovou, em reunião realizada ontem, o investimento complementar de R$ 54 milhões em 2021. Os recursos serão destinados à aquisição e instalação de máquinas e equipamentos para atender à demanda em 2022.


Do valor total, cerca de R$ 46 milhões serão usados na compra de máquinas e equipamentos no setor de usinagem e R$ 8 milhões são para equipamentos de controle de qualidade.

Segundo comunicado enviado nesta quinta-feira (12) ao mercado, a empresa informa que a estrutura financeira para os investimentos é proveniente de bancos, com carências e de longo prazo.

A Altona trabalha com demanda repetitiva, fornecendo partes e peças para montadoras de máquinas, transportes pesados e automotivos; e sob encomenda, para o fornecimento de peças para os setores de bens de capital, geração de energia, mineração, dragagem, petróleo e gás/ off shore.

Em 2020, a demanda pelo mercado externo teve destaque principalmente para os itens de unidade sob encomenda, que representaram aproximadamente 81% dos itens exportados. No mercado nacional, os itens de produção repetitiva representaram 48% dos negócios locais.

A empresa possui capacidade instalada de 1.200 t/mês de peças fundidas brutas, usinadas e acabadas. Sua capacidade de produção é de 1.100 t/mês com disponibilidade de 100 t/mês.


Conforme os dados publicados em 2020 pela Associação Brasileira de Fundição (Abifa), o país mostrou um decréscimo de 2,3 mil toneladas ou 0,9% em relação a 2019. A produção da companhia representou aproximadamente 3,8% de toda a produção brasileira de aço.

Também em 2020, houve queda de aproximadamente 17,4% ou 5,9 mil toneladas na exportação de produções brasileiras de aço, comparado ao período de 2019. A participação da Electro Aço Altona neste quesito, representou 17,1% do total exportado, que corresponde a um recuo de aproximadamente 0,7 mil toneladas em relação ao período de 2019.


Com informações do Valor Econômico.

0 comentário