Alcoa investe R$ 310 milhões na disposição de resíduos a seco

A Alcoa vai investir cerca de R$ 310 milhões na mudança da tecnologia de disposição de resíduo de bauxita da unidade de Poços de Caldas (MG). Depois de quase sete anos de estudos, a companhia decidiu implantar o sistema de filtro prensa, que elimina 70% da umidade do resíduo e permite o empilhamento a seco dos rejeitos. O início das obras está previsto para agosto e os trabalhos devem ser concluídos até o fim de 2022.


O projeto consiste na construção de uma planta de filtração na refinaria, que gera o resíduo seco com apenas 30% de umidade, equivalente à umidade natural do solo, e direciona a água retirada ao processo produtivo, por meio de um circuito fechado, para ser reutilizada. O resíduo seco será transportado em caminhões e descarregados em uma nova área de disposição de resíduo, onde será compactado.

"O projeto garante a continuidade das operações da nossa unidade e atende às exigências da companhia em relação à disposição de resíduos e à legislação estadual de segurança de barragens", explica Walmer Rocha, gerente de Operações da Alcoa Poços de Caldas.

"Além desses benefícios, o projeto de filtro prensa terá um impacto muito positivo na economia da cidade e região, pois irá gerar cerca de 500 empregos indiretos durante o pico da obra, ampliará os negócios de locação de imóveis e aumentará as vendas no comércio. No final da obra serão gerados cerca 20 empregos diretos".

Segundo ele, a Alcoa opera dentro dos mais altos padrões internacionais e trabalha de forma consistente com várias agências ambientais e reguladoras para garantir sua excelência operacional. "Por isso, lembramos que todas as áreas de resíduos de bauxita da Alcoa Poços de Caldas contam com um robusto sistema de monitoramento, capaz de detectar qualquer anormalidade em tempo hábil de resposta", conclui.

Segundo a Alcoa, além da inovação no processo, a instalação da planta de filtração irá reduzir a emissão de carbono, devido ao menor consumo de energia, necessária para o controle do nível de água nas áreas de estocagem de resíduos.


Esta é a terceira unidade da Alcoa a implantar essa tecnologia - as outras duas foram na Austrália. No Brasil, a Alcoa possui três unidades produtivas, em Poços de Caldas (MG), São Luís (MA) e Juruti (PA), além de participação acionária na Mineração Rio do Norte (MRN).


Fonte: Notícias de Mineração do Brasil.


0 comentário