top of page

Abertura da Exposibram destaca papel da mineração na transição para economia de baixo carbono

Na cerimônia de abertura da Exposibram 2023, a relevância da oferta de minérios para a construção de um mundo melhor dominou os pronunciamentos.


O diretor-presidente do Ibram, Raul Jungmann, considera que a região amazônica oferece oportunidades “únicas de relacionar a mineração com a sustentabilidade, com a responsabilidade ambiental”. Até 2027 a mineração vai direcionar ao Pará 1/3 dos investimentos totais (US$ 50 bilhões).

Segundo Jungmann, “esse investimento será em nome da mineração sustentável, da floresta viva, do respeito aos povos indígenas e originários, visando a redução da desigualdade de renda”. Ele abriu, na noite desta 2ª feira (28/08), a edição 2023 da Exposibram, em Belém (PA).

O governador do Pará, Helder Barbalho, participou da solenidade e disse que seu governo está “certo de que a parceria com o Ibram, a parceria com a atividade minerária do nosso estado pode ser um importante fomentador para a transição econômica, transição de todas as esferas que dialoguem com o meio ambiente. E, a partir daí, o estado do Pará possa construir, efetivamente, um desenvolvimento sustentável que olhe pelas pessoas, que olhe pela floresta e que estimule a economia atrelada a um novo tempo para o Pará e ao Brasil”.

A Exposibram será realizada até o dia 31/8. Acesse o site do evento para mais informações.


Mineração tem muito a contribuir para o desenvolvimento do país


O presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, disse que “a mineração tem muito a contribuir para o desenvolvimento do Brasil e ajudar o país a assumir uma posição de liderança na transição energética”.

Segundo ele, a Vale avança de forma consistente em sua jornada para tornar a empresa cada vez mais segura, sustentável e inovadora. “Queremos não só fazer parte, mas sermos motores da transformação da sociedade e do cuidado genuíno na nossa relação com as pessoas, com o território e com as agendas ambientais, sociais e culturais”, afirmou.

Ainda de acordo com o executivo, a atuação em Carajás, no Pará, por quase 40 anos é exemplo de como a mineração é sustentável. “Dos cerca de 1 milhão de hectares de floresta que a Vale protege no mundo, 800 mil hectares estão na Amazônia, no mosaico de Carajás, uma área equivalente a 5 vezes a área da cidade de São Paulo. Em Carajás, a Vale produz 60% do minério de ferro usando apenas cerca de 2% da área que impacta”, disse.


Futuro da humanidade está relacionado ao desempenho da mineração


Raul Jungmann ressaltou que o futuro da humanidade está relacionado ao desempenho da mineração. Como exemplo, citou a relevância da oferta de minérios para proporcionar a transição energética, o que irá resultar em uma economia de baixo carbono.

“É uma economia que nos assegurará a continuidade da humanidade; um mundo melhor para nossos filhos, para nossos netos. Não há nada menos ético do que legar às futuras gerações uma natureza pior do que nós recebemos”, afirmou.

Jungmann disse ainda que essa transição exige oferta de minerais estratégicos, já que pela sua composição, pelo seu uso permitem que se reduza a produção de gás carbônico. “O grande vilão do aquecimento global, e seus efeitos danosos ao planeta e às pessoas. Aqui no Pará temos grandes potencialidades para esses minerais críticos e vislumbramos a capacidade para contribuirmos para que tenhamos um mundo saudável”, destaca.

Na solenidade de abertura o vice-presidente do Conselho Diretor, Ediney Drummond, apresentou as boas-vindas à Exposibram 2023 e a solenidade também contou com homenagens do Ibram para o governador Helder Barbalho, para a Frente Parlamentar da Mineração Sustentável e para a empresa Geosol.


Fonte: Revista Mineração & Sustentabilidade

0 comentário

Comentarios


bottom of page