Precarização do trabalho e falta de senso humano da Brio Gold


Precarizar é reduzir, diminuir, tornar escasso e, quando associado ao trabalho, significa a diminuição de direitos e garantias dos trabalhadores. A transferência de atividades e do vínculo empregatício de uma empresa produtora de bens ou serviços para prestadoras de serviços, na prática, promove a precarização das condições gerais de trabalho, a desmobilização e , consequentemente, aumenta o risco de acidentes e de problemas de saúde no trabalho.

A valorização do trabalho deve estar sempre em primeiro plano, pois proporciona ao ser humano um sentimento de orgulho do que faz, no qual passa a desempenhá-lo com prazer, pois passa a se sentir feliz ao iniciar uma jornada de trabalho. Quando ocorre a precarização, o trabalho passa a ser visto apenas como meio de sobrevivência, o que retira do ser humano qualquer sinal de dignidade e impacta, negativamente, na sua produtividade.

O reconhecimento é uma parte essencial na vida do ser humano, não só no âmbito profissional, mas também no pessoal. Ao obter reconhecimento profissional, a tendência é que seu colaborador se sinta mais motivado e proativo, provocando assim o seu crescimento na Empresa e, quando um funcionário cresce, a corporação cresce junto, pois contará com um time disposto a encarar desafios, superar obstáculos de uma maneira criativa e produzir com maior eficiência.

A precarização do trabalho significa o desmonte dos direitos dos trabalhadores, daí a importância de refletir sobre essa temática, sobre a lógica perversa do capitalismo, avaliando formas de manter garantias ao trabalhador, que é o lado mais frágil desse conflito.

Partindo dessa premissa, convidamos a Brio Gold, principalmente aos “responsáveis dos contratos entre a Brio/Terceirizadas”, a refletir sobre de que forma vem agindo com seus trabalhadores. Quem obriga, impõe com arrogância ou ameaça os representantes das Terceirizadas a retirarem os direitos e benefícios dos Trabalhadores, deve se lembrar que tudo que eles conseguiram foi fruto de muito tempo de trabalho e com muita luta. Sejam mais humanos e não esqueçam que Deus não faz acepção de pessoas e que a diferença de função/cargo não nos torna melhores ou piores que outras pessoas, somos todos iguais.

“SE AS FERIDAS DO SEU IRMÃO NÃO TE CAUSAM DOR, A SUA DOENÇA É MAIS GRAVE QUE A DELE"


SINDIMINA - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Extração, Pesquisa e Benefício de Ferro, Metais Básicos e Preciosos de Serrinha e Região

Rua Macário Ferreira, nº 522 - Centro - Serrinha-BA     / Telefone: 75 3261 2415 /  sindimina@gmail.com

Funcionamento :  segunda a sexta-feira, das  8h às 18h.